Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Artigo

Alan Moore apoia Lula em carta aos brasileiros

Autor vê com preocupação agendas da direita sobre o planeta

28/10/2022

Ontem à noite, para aplacar nossos corpos da onda de calor repentina e nossas mentes da onda de notícias hediondas (nem tão repentinas), me reuni com alguns amigos em um bar. Eram, em sua maioria, amigos das letras; alguns inclusive já trabalharam em livros da DarkSide®. Começamos falando sobre futebol, mas entre pessoas das letras, especialmente nestes tempos, logo a conversa descamba para política ou para a literatura, quando não as duas coisas.

Como esta semana anunciei meu primeiro romance, Todos se Lavam no Sangue do Sol, não quero falar sobre outro assunto; mas na semana de uma eleição tão importante, fica difícil competir com a política nas conversas de bar. Pra não perder a deixa, portanto, tentei falar da excelente imitação de Lula que fizeram para divulgar o livro (confiram em meu Instagram), do voto na Bahia, de como é difícil inventar vilões com personagens tão nefastos nos noticiários

Em pouco tempo, sabe-se lá por quais caminhos, o papo descambou para Alan Moore, a genialidade de Alan Moore, a lucidez de Alan Moore, a necessidade de lermos Alan Moore. Hoje acordei e descobri que na mesmíssima hora em que falávamos de política brasileira e Alan Moore, Alan Moore, na madrugada inglesa, escrevia sobre política brasileira e nós: eu, meus amigos, e vocês, leitores. Penso que, nesse momento de crise, de desgoverno, de monstros celebrados como heróis, algo tão único e verdadeiro precisa ser propagado. Abaixo, segue uma tradução que fiz, no calor do momento, do texto que ele escreveu; trata-se de uma carta aberta ao Brasil:    

Caríssimo Brasil, 

Estamos esgotando rapidamente as últimas chances de salvar o planeta e seus povos. Nosso mundo está mudando, mais rápido do que qualquer mudança anterior, e está nos forçando a nos adaptarmos mais depressa se quisermos sobreviver. De sociedade caçadora-coletora à agricultura, da agricultura à indústria, da indústria ao que quer que agora esteja tomando forma — esta nova condição à qual ainda não temos um nome — a humanidade já viu antes esses tipos de alternâncias monumentais, embora com menos frequência. Essas transições não são causadas por forças políticas, mas pelos irrefreáveis movimentos da maré da história e da tecnologia, que é uma maré na qual podemos conduzir nossas embarcações, ou que pode nos varrer para longe. A Terra está mudando, mudando por necessidade de um novo lugar, e podemos apenas mudar com ela ou, em vez disso, perder para sempre a biosfera que nos sustenta. A maioria das pessoas, acredito, sabe disso no íntimo de seus corações e sente isso em suas barrigas. 

Mesmo assim, nesses últimos cinco anos, mais ou menos, vimos ao redor do globo um feroz ressurgimento das mesmíssimas ideias políticas e econômicas que nos trouxeram a esta situação claramente desastrosa, em primeiro lugar. A agressão desbragada desse avanço da extrema-direita me parece tão forçosa, e tão desconectada da realidade, que ela só pode ter nascido do desespero; do medo histérico sentido por aqueles que mais usufruem das estruturas de poder do velho mundo, e que sabem que, no fim, não haveria lugar para eles no novo mundo. Temerosos por sua própria existência, e pela existência de uma visão de mundo da qual eles se beneficiam, nessa última metade de década eles vêm lotando o palco do mundo com personagens de pantomima cada vez mais ruidosos, descomedidos e tumultuosos, a quem nenhum curso de ação é demasiado corrupto ou desumano, e nenhuma linha de raciocínio fragrantemente absurda.      

Desavergonhadamente monstruosos, eles perseguiram minorias raciais e religiosas, ou seus povos nativos, ou os pobres, ou as mulheres, ou as pessoas de sexualidades diversas, ou todos estes. Durante a pandemia ainda em curso, eles puseram suas posturas políticas e suas doutrinas financeiras acima da segurança de suas populações, presidindo sobre centenas de milhares de mortes potencialmente desnecessárias; centenas de milhares de famílias devastadas, de comunidades devastadas. Com suas nações em chamas, ou inundadas, ou consumidas pela seca, eles insistiram que a mudança climática era um logro esquerdista para constranger a indústria, e rotularam de terroristas os militantes ambientais e sociais. Adotando o estilo circense fascista de Silvio Berlusconi na Itália, tivemos a perigosa teatralidade insurrecta de Donald Trump na América do Norte, e as danosas indignidades de Boris Johnson e seus atores substitutos no Reino (presentemente) Unido. E, claro, o Brasil teve Jair Bolsonaro. 

Embora obviamente nós do Hemisfério Norte tenhamos contribuído com muito mais do que nossa cota justa de horrendas figuras políticas para a situação do mundo, não conheço ninguém com uma grama de consciência e compaixão que não se apavora com o que Bolsonaro, que chegou à posição surfando na maré de Trump, fez com o país enorme e belo de vocês, junto com o que ele continua a fazer com nosso planeta relativamente pequeno e de algum modo ainda belo. Assistimos em desespero enquanto, entoando o mesmo hinário de sua inspiração dos Estados Unidos, Bolsonaro discursou contra povos indígenas, contra os homossexuais e contra o direito das mulheres a um aborto seguro, alimentando um descontrolado incêndio de ódio como distração de suas agendas sociais e econômicas, enquanto ao mesmo tempo inundava a sua cultura com armas. Vimos suas bravatas sobre a pandemia, seu jorro de idiotices antivacina, e vimos no Brasil o crescente aumento de terrenos com cemitérios improvisados às pressas; uma série de cubículos em solo cinzento cujas gotículas de cor eram flores mortas e marcadores pintados aqui e ali.

Também assistimos de camarote enquanto ele reagia à prospecção de novas leis internacionais ambientais simplesmente acelerando sua destruição suicida da floresta, sufocando nossa atmosfera comum ao queimar selvas, deslocando ou despachando pessoas que viviam nessas regiões há gerações, e aparentemente conspirando ou fazendo vista grossa ao assassinato de jornalistas que investigavam essa limpeza étnica brutal. Uma respeitada revista científica britânica que eu assino, a New Scientist, recentemente descreveu as iminentes eleições no Brasil como um ponto crucial potencialmente sem volta, na batalha de vida ou morte que nossa espécie trava contra a catástrofe climática que nós mesmos engendramos. Simplificando, ou Jair Bolsonaro pode continuar, lucrativamente, a agradar aos interesses corporativos que o apoiam, ou nossos netos poderão comer e respirar. Uma coisa ou outra. 

Como anarquista, há poucos líderes políticos que eu poderia tolerar completamente, veja lá endossar, mas de todos que eu ouvi ou li a respeito, Luiz Inácio Lula da Silva me parece um desses raros indivíduos. Sua política parece justa, humana e prática e, conforme entendo, ele prometeu desfazer muitas das desastrosas decisões de Bolsonaro. Consertar o estrago desses últimos cinco anos com certeza não será fácil, nem acontecerá sem algum custo, e Lula estaria herdando uma paisagem política terrivelmente desfigurada. Na pior das hipóteses, entretanto, de sua distância ele ao menos tem o olhar de um candidato que reconhece que a humanidade está passando por uma de suas infrequentes transformações sísmicas, e percebe que devemos mudar nosso modo de viver, se é que desejamos viver. Ele parece ser um político comprometido com o futuro, com seu trabalho duro e com suas possibilidades justas e maravilhosas, mais do que com as agonias de morte torturantes e destrutivas de um passado insustentável. 

A eleição que ocorrerá no Brasil está, dizem-me, na corda bamba e, como discutido acima, o mundo inteiro está andando sobre ela. Se você já gostou de alguma obra minha, ou sentiu qualquer simpatia por suas inclinações humanitárias, rogo que vote por um futuro cabível a seres humanos, por um mundo que seja mais que a latrina de ouro das corporações e suas marionetes.    

Deixemos para trás as iniquidades dos últimos cinco, ou talvez quinhentos anos. 

Com amor e confiança, 

Seu amigo, 

Alan Moore.

Imagens da carta com a assinatura de Alan Moore:

A filha do autor, Leah Moore, confirmou a veracidade do documento em sua conta no Twitter:

Sobre Paulo Raviere

Avatar photoPaulo Raviere nasceu em Irecê-BA, em 1986. Colaborou com o Blog do IMS e as revistas Pesquisa FAPESP, Barril, Serrote e Piauí. É editor da DarkSide®️ Books, pela qual também publicou traduções de obras de Robert Louis Stevenson, Bret Easton Ellis, Donald Ray Pollock, Clive Barker, Joseph Conrad, David L. Carlson e Landis Blair, entre outros. Tem mestrado em tradução pela UFBA e atualmente pesquisa e traduz a obra de Charles Lamb em doutorado na FFLCH-USP. Todos se Lavam no Sangue do Sol é seu primeiro romance publicado pela DarkSide®️ Books. Saiba mais em raviere.wordpress.com.

Website

2 Comentários

  • Roberto afonso

    29 de outubro de 2022 às 18:25

    Brilhante comentário a respeito desse alerta sobre situação surreal da destruição dos nossos ecossistemas liderado pela desastrosa política desse atual presidente nefasto, e que realmente esta é uma das eleição, ou se não a mais importante do mundo em que o Brasil decidirá o destino da salvação não só do nosso país, como também do planeta e sem dúvida nenhuma entre os dois candidatos, Lula é a única salvação.

  • Raquel

    31 de outubro de 2022 às 17:52

    Alan maravilhoso 🙂

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CuriosidadesFilmes

Você sabia que Viagem Maldita foi inspirado num caso real?

Não existe nada mais aterrorizante do que um filme de terror baseado em uma história...

Por DarkSide
FilmesFirestar Videolocadora

Dark Night of the Scarecrow: Frank De Felitta como você nunca imaginou

Vocês já pararam para se perguntar de onde vem nosso fascínio pelos filmes antigos?...

Por Cesar Bravo
DarksideMúsica

Celebre os Heróis do Blues, Jazz & Country com essa playlist

Além de um ilustrador brilhante, Robert Crumb era um apaixonado pela música dos anos...

Por DarkSide
Crime SceneCuriosidades

Crianças podem ser consideradas psicopatas?

O ser humano é mau até que prove o contrário ou ele nasce bom e a sociedade o...

Por DarkSide
Crime SceneCuriosidadesProfissionais da Morte

4 Profissões da morte que você não imaginava que existiam

Você já pensou em trabalhar diretamente com a morte? Quando pensamos em...

Por DarkSide