Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

EntrevistaGraphic Novel

Danilo Beyruth, autor de Samurai Shirô e com trabalhos para a Marvel e MSP, conversa com o DarkBlog

Quadrinista brasileiro fala sobre referências, do mercado de HQs e da adaptação de sua graphic novel para o cinema

Quadrinista e ilustrador, vencedor de diversos prêmios HQ Mix, Danilo Beyruth é um dos maiores nomes dos quadrinhos brasileiros da atualidade. Em 2009, publicou seu primeiro álbum, Necronauta: O Soldado Assombrado (HQ Maniacs) e lançou o premiado Bando de Dois (Zarabatana, 2010), publicado na Argentina, França e Portugal.

Pela DarkSide Books, Beyruth lançou, em 2018, Samurai Shirô, uma história instigante de lutas sangrentas pelo poder, honra familiar e reencontro com o passado que deixou os leitores presos à trama de Akemi. 

Os trabalhos de Beyruth passeiam por muitos estilos e narrativas e em 2012 Necronauta ganhou um segundo volume, Necronauta: Almanaque do Mortos (Zarabatana). Ainda no mesmo ano, o quadrinista iniciou uma série com o personagem Astronauta, de Mauricio de Sousa, pela Panini, que foi traduzido para diversos idiomas. Beyruth também empresta seu traço para a Marvel Comics, em personagens como Motoqueiro Fantasma, o grupo Guardiões da Galáxia, Cable, entre outros. Antes de Samurai Shirô, ele já havia apostado no escuro com as ilustrações da edição comemorativa de A Noite dos Mortos-Vivos, de John Russo.

Em entrevista ao DarkBlog, Danilo Beyruth falou sobre suas principais influências, a versatilidade de seus desenhos e histórias e o desejo de ver Samurai Shirô nas telas do cinema – o filme baseado na HQ está em fase de produção.

Danilo Beyruth por ele mesmo

Confira o papo completo abaixo:

DarkBlog: Qual o nome dos caras que te influenciaram a seguir pelo mundo dos quadrinhos?

Danilo Beyruth: Minhas influências mudaram um pouco com o passar dos anos, mas os nomes que me influenciaram lá no começo e seguem comigo até hoje são o Jack Durbin, Jack Davis, ilustrador da revista Mad, o espanhol Jordi Bernet, Goran Parlov, que já é mais contemporâneo, mas é o tipo de arte que eu gosto e são os caras que eu coleciono também. O Alex Toth, por exemplo, é um cara que eu acho fantástico e tem uma criatividade ilimitada. Eu acabo tendo uma tendência a gostar dos caras que trabalharam muito com preto e branco, anos 60, profissionais que tinham um trabalho muito pessoal, mas ao mesmo tempo souberam trabalhar com grandes personagens.

Aí, claro, tenho alguma influência de mangá — muito do Katsuhiro Otomo que foi um material muito introdutório pra mim. Gosto muito do Goseki Kojima, que também foi uma referência forte.

O quanto não ter um estilo puro e único estimula a sua criatividade e aperfeiçoa a sua arte? Sabemos dos seus trabalhos com a Marvel e, ao mesmo tempo, vemos Samurai Shirô, Necronauta, o Astronauta, do Mauricio de Sousa, que você também desenhou. Essa versatilidade te ajuda na hora de criar?

O trabalho, às vezes, funciona como um exorcismo pra mim. Depois que exorciza aquilo, ou seja, finaliza aquilo tudo, passo um tempo brincando com a imaginação e, ao mesmo tempo, quando eu estou terminando uma HQ de western, por exemplo, eu já estou querendo começar uma de ficção científica – é uma coisa muito louca, o que tem pra ser feito começa a ficar mais interessante do que aquilo que você está fazendo no momento.

Mas uma coisa que sempre busco é subverter o gênero que estou trabalhando naquele momento. Eu não quero fazer um clichê e cada HQ tem uma narrativa que é uma espécie de conversa com o leitor. Você está colocando um tema para ser discutido e vai chegar em uma conclusão acerca disso no final do trabalho — seja pela moralidade ou pelo lado filosófico de um personagem. São raciocínios e existe isso em tudo o que fazemos. 

Como aplicar isso em seus trabalhos pessoais?

No Samurai Shirô, por exemplo, eu tentei trabalhar algo que ainda não tinha me aprofundado tanto, que é trama. É uma HQ que tem muita trama, é preciso deixar claro onde cada personagem está. Bando de Dois também foi outro trabalho onde tentei mostrar o tamanho que um western pode ter no Brasil, no Nordeste. Então, a cada hora, a cada trabalho, eu tento sempre explorar um terreno novo. Isso é desafiador e muito bom de ver acontecer. Não existe nada novo sob o sol, mas podemos chegar lá, terminar e ter aprendido muita coisa no processo. Eu, olhando de dentro pra fora, não consigo definir o meu trabalho ou reconhecer meu estilo, mas busco sempre essa subversão do gênero.

E o filme? Samurai Shirô vai mesmo para as telas do cinema?

Sim, existe um filme. Estamos numa fase de pré-produção e casting. Já temos um diretor brasileiro, o Vicente Amorim. Esse filme faz parte de um projeto maior que tenho que é provar que conseguimos fazer no Brasil o mesmo tipo de entretenimento que é feito lá fora, nos Estados Unidos, com o tipo de história que supera a realidade. Não precisamos fazer só documentário. O Brasil tem espaço para esse grande entretenimento, existe um mercado que quer consumir e tem muita gente curiosa com o que está sendo produzido aqui. É um mercado muito exportável, muitas pessoas em outros países querem ver o que pode sair daqui do Brasil. Mas a roda do cinema gira muito devagar, ainda não temos datas para revelar. O tempo do cinema é outro e eu já estou escaldado nesse quesito, e sei também que é preciso paciência, mas seguimos trabalhando sempre.

Beyruth na Rio Comic Con, em 2011 (Foto: Tomás Rangel)

Como você vê o mercado de quadrinhos nacional atualmente?

O que está acontecendo no mercado de quadrinhos é algo muito positivo. Temos profissionais que estão conhecendo o mercado de fora, como o André Diniz, o Marcelo D’Salete, que venceu o Eisner – considerada a maior premiação do mundo dos quadrinhos -, e isso é um passo que está sendo dado que é muito importante para nós. Essas adaptações para o cinema também podem acontecer aqui com as nossas histórias. Eu acredito que é possível e pode render muita coisa boa. No Brasil, acabamos sendo condicionados a achar que as coisas são impossíveis, mas só é impossível até alguém ir lá e fazer. Eu acredito nisso.

Muitos jovens e adultos apaixonados pela nona arte, que leem tudo de HQ e se inspiram em seus autores favoritos para desenhar, sonham em seguir carreira no mundo dos quadrinhos. Qual conselho você pode dar pra quem quer se aventurar como desenhista?

Olha, é um conselho cruel, porém verdadeiro. Se você quer desenhar, precisa desenhar todos os dias, se você quer escrever, tem que escrever todos os dias. É preciso ser incansável. O Ray Bradbury, autor de Fahrenheit 451, falou uma vez: “Se você quer escrever, escreva uma história curta por semana. No final do ano serão 52 histórias, é impossível que todas elas estejam ruins”. Acredito que o mesmo se aplica aos quadrinhos, aos desenhos. Lógico que existe o dom e o talento, mas mesmo esses caras talentosos trabalharam muito pra chegar onde estão. As pessoas costumam dizer que determinado artista “já desenha bem” e desconsideram todo o processo trabalhoso e as mil horas de treino para chegar naquele resultado. É fundamental praticar todos os dias.

LER MAIS

Indicados para você!

Tokyo Ghost - DRK.X
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Samurai Shirô
R$ 59,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Imaginário Coletivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Medo ClássicoSéries

Netflix divulga teaser oficial da nova série sobre Drácula

Drácula, a nova série da Netflix dos mesmos criadores de Sherlock, teve seu teaser...

Por DarkSide
ListasLivros

Confira 13 dicas para acertar nos presentes de Natal

O fim de ano chegou e, junto com ele, a correria das compras de Natal e Amigo Secreto....

Por DarkSide
LançamentoVários

MeiaMeiaMeia: As meias Stance chegaram na DarkSide Books

Somos amantes da literatura, adoradores natos das palavras que nos transformam. Não...

Por DarkSide
DarkloveSéries

A Noiva Fantasma: Netflix libera trailer de série inspirada em livro da DarkSide

A Netflix anunciou a adaptação e o elenco da série A Noiva Fantasma, que contará...

Por DarkSide
ListasLivros

13 personagens femininas da DarkSide que você precisa conhecer

Durante muito tempo as mulheres ocuparam um lugar de pouco destaque na cultura pop....

Por DarkSide