Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

CrânioFilmesLançamento

Elas em Legítima Defesa: conheça o documentário que inspirou o livro

Jornalista Sara Stopazzolli fez pesquisa e roteiro de documentário sobre mulheres que se viram obrigadas a matar seus parceiros.

Em 2013, Sara Stopazzolli e sua, irmã Leda Stopazzolli, fundaram a produtora Mera Semelhança, que desenvolve projetos audiovisuais engajados que tratam de temas relacionados à sociedade e aos direitos humanos. Com produções feitas por e para mulheres, alguns temas abordados envolvem violência doméstica e abortos clandestinos. E um dos projetos desenvolvidos foi o documentário Legítima Defesa.

Lançado em 2017, Legítima Defesa é resultado de uma pesquisa que durou mais de quatro anos, cheio de percalços na busca por fontes. A produção é uma parceria entre a Mera Semelhança e a Ocean Films e dá voz às mulheres vítimas de violência que se viram obrigadas a matar seus companheiros abusadores para preservarem a própria vida.

A ideia do documentário surgiu em 2013 e partiu de Leda, que ficou responsável pela produção. Sara se encarregou da pesquisa e do roteiro, mas esta não foi uma tarefa fácil. Além da dificuldade em encontrar estatísticas sobre este tipo de crime, são pouquíssimas as pessoas que passaram por isso que estão dispostas a falar sobre o tema em uma entrevista.

No início, a investigação de Sara Stopazzolli envolveu mergulhar em processos judiciais e compreender todas as implicações da legítima defesa perante a lei. Dos 50 casos que ela investigou em sua pesquisa, apenas 10 mulheres foram encontradas, seis concordaram em mostrar o rosto e, deste grupo reduzido, uma faleceu e duas desistiram às vésperas da filmagem.

Durante o processo a jornalista se questionou se o documentário não seria uma invasão da vida destas mulheres e até pensou em desistir. No entanto, ela se lembrou do lado positivo que tal material poderia acarretar: o da libertação das mulheres que queriam falar sobre suas histórias, além do alerta e apoio a outras pessoas que são vítimas de homens violentos.

Segundo Marcia Heloisa — doutora em literatura, tradutora, pesquisadora e editora da DarkSide® Books —, o documentário seleciona relatos de bravas mulheres, alternando os depoimentos reais de Úrsula Francisco e Daiana Cristina com a reconstituição ficcional do julgamento de Emília.

“O filme mapeia com delicadeza e sobriedade o trágico percurso da violência doméstica à busca por justiça que muitas mulheres enfrentam diariamente em nosso país”, comenta.

Para Márcia, entre os relatos comoventes e a reprodução dos autos no tribunal, Legítima Defesa apresenta um retrato profundamente sensível e impactante do tema. A opção estética de encenar os julgamentos acaba por ser um recurso importante para a narrativa, que preza pela apresentação dos fatos e a reprodução das histórias reais. Nenhuma mulher é tratada como vítima: são sobreviventes que foram obrigadas a tomar suas vidas de volta nas mãos e, no processo, tiveram a oportunidade de redefinir seus caminhos. Legítima Defesa dá voz às suas protagonistas e acompanha seus passos rumo a um futuro de esperança restaurada, com novos horizontes e, quem sabe, inédita liberdade.

O documentário foi lançado na mostra competitiva do Festival Internacional Mujeres en Foco, em Buenos Aires, de onde saiu premiado. Além disso, o material rodou o Brasil em mostras locais, incentivando o debate sobre um tema tão delicado. Hoje ele está disponível nos canais de streaming NOW e VIVO Play.

De um tema tão relevante e uma pesquisa tão vasta, surgiu o pacto com a DarkSide® Books. O livro Elas em Legítima Defesa: Elas sobreviveram para contar não apenas acompanha a trajetória das entrevistadas, mas dá amplitude ao material do documentário. A publicação apresenta a pesquisa completa de Sara Stopazzolli, com histórias inéditas, novos dados e estatísticas que aprofundam o tema.

Sobre DarkSide

Eles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

1 Comentário

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesMedo Clássico

Como o Horror de Coração das Trevas influenciou Apocalypse Now

No final do século XIX, após um longo período de exploração belga no Congo, o...

Por DarkSide
CuriosidadesGraphic Novel

Conheça o caso de Green River Killer

Um dos serial killers com o maior número de vítimas nos Estados Unidos rendeu quase...

Por DarkSide
LançamentoMedo Clássico

“O horror! O horror!”: Coração das Trevas, por Joseph Conrad, chega à DarkSide

Em meados da década de 1870, o rei Leopoldo II da Bélgica passou a...

Por DarkSide
Crime Scene FictionFilmesListas

Nó na Garganta: 8 Curiosidades sobre o filme de Butcher Boy

A infância nem sempre é um período repleto de brincadeiras e boas lembranças. Em...

Por DarkSide
Crime ScenePerfil

Quem foi Hermann Rorschach, que desenvolveu o teste de mancha de tinta

O que você enxerga em uma mancha de tinta em um papel pode mesmo revelar aspectos da...

Por DarkSide