Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


LançamentoMedo Clássico

Lançamento: Mefisto, por Klaus Mann

Uma história assustadora e atual. Um grito exilado diante dos demônios nazistas

As histórias de pessoas que negociaram a própria alma com demônios em troca de benefícios terrenos são muito populares. Elas circulam entre os povos desde antes de seus registros em peças teatrais, contos, romances, canções, imagens. Mas nenhum pacto é tão popular quanto o do dr. Fausto, personagem do folclore medieval germânico que, em troca de conhecimento e poder, legou sua alma a Mefistófeles. Essa lenda serviu de base para a obra máxima de um dos patriarcas da literatura do país, Johann Wolfgang von Goethe, autor da peça Fausto

Em 1936, o alemão Klaus Mann publicou Mefisto, romance centrado em um pacto fáustico diretamente ligado à obra de Goethe. No livro é contada a história de Hendrik Höfgen, ambicioso ator que abdica de seus ideais revolucionários em troca da ascensão social meteórica numa carreira artística cujo ápice, não por acaso, é uma encenação do Fausto de Goethe. Na peça, Höfgen interpreta Mefistófeles, enquanto em sua vida ele age como Fausto. Porém, o demônio de Höfgen não é uma entidade fantástica, e sim um demônio concreto: o Partido Nazista.

O romance foi escrito quando Klaus se encontrava exilado na Holanda, durante a ascensão do Terceiro Reich, um pouco antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, em 1939. Seu protagonista, assim como quase todos os personagens do livro, é inspirado em pessoas reais da época, um dos motivos pelo qual o livro foi censurado. Em 1968, o Tribunal Federal de Justiça alemão proibiu o romance ao acatar o pedido do filho adotivo do ator Gustaf Gründgens, que reconhecera seu pai, no protagonista da obra. Em 1971, porém, a censura foi derrubada.

A edição especial da DarkSide® Books, organizada por Paulo Raviere, conta com uma tradução criteriosa feita diretamente do alemão por Claudia Abeling e com belíssimas xilogravuras criadas por Ramon Rodrigues especialmente para o livro. No posfácio assinado por Claudia Dornbusch, a pesquisadora afirma: “Percebemos a fina ironia ao mostrar o colaboracionismo de várias esferas da sociedade: chefes da polícia secreta, editores, diplomatas, divas do cinema, professores universitários e banqueiros judeus”.

Mefisto tem muitas semelhanças com nossos tempos, o que torna sua leitura ainda mais urgente e assustadora. Vários países e governantes da atualidade parecem mimetizar muitos dos atos da Alemanha nazista descritos no livro. Tanto nos anos 1930 como nos tempos atuais, o ambiente é sufocante e opressor, e esta obra magistral de Klaus Mann nos mostra como um pacto com um demônio sempre anda à espreita, buscando por aqueles que topam as propostas mais inomináveis, desde que possam tirar vantagens.

Mefisto

Klaus Mann nasceu em Munique, em 1906. Segundo filho do escritor Thomas Mann, Klaus começou a escrever contos e artigos em 1924 e foi crítico teatral de um jornal de Berlim. Em 1925, publicou um volume de contos e um dos primeiros romances de temática homoerótica na literatura alemã, Der fromme Tanz [A Dança Pia – O Livro de Aventuras de uma Juventude]. Engajou-se em campanhas contra o nazismo, transitando entre Holanda, Suíça e Estados Unidos, onde se estabeleceu em 1936, em Nova York. Entre suas maiores obras estão Fuga para o Norte (1934), Sinfonia Pathétique (1935), Mefisto (1936), O Vulcão (1939). Tornou-se cidadão americano em 1943, entrou para o Exército, e foi correspondente da revista do Exército Stars and Stripes. Em 1949 acabou falecendo em Cannes, na França, por uma overdose de soníferos, após anos de consumo de heroína e alguns bloqueios criativos. Em 1981, Mefisto foi adaptado para o cinema pelo diretor húngaro István Szabó, e no ano seguinte levou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

“A arte justifica tudo? Quanta cumplicidade há em um regime criminoso, quanta colaboração, quanta falta de denúncia? Estas são as questões de Mefisto. Elas eram pertinentes em 1936, e ainda estão conosco.” — Margaret Atwood, autora de O Conto da Aia

Mefisto é uma crítica brutal a todos os intelectuais e artistas que traiçoeiramente se vendem em troca de dinheiro e fama.” — Esquerda Diário

“O romance de Klaus Mann é um libelo antinazista e comprometedor no duplo sentido: do autor com a realidade política e social, que exigia a luta contra o nazismo; e, do leitor, na medida em que induz ao posicionamento político, ainda que tenha consciência do caráter ficcional.” — Antonio Ozai da Silva, pesquisador

FICHA TÉCNICA

Título | Mefisto
Título original | Mephisto
Autor | Klaus Mann
Tradutora | Claudia Abeling
Organizador | Paulo Raviere
Ilustrador | Ramon Rodrigues
Editora | DarkSide® Books
Marca | Medo Clássico
Edição |
Idioma | Português
Especificações | 352 páginas, 16 x 23 cm, capa dura
ISBN | 978-65-5598-226-8

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Mefisto + Brinde Exclusivo
R$ 74,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Dicionário dos Demônios + Brinde Exclusivo
R$ 129,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
O Retrato de Dorian Gray + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesListasNovidades

8 Produções para ficar de olho em outubro na Netflix and Chills 2022

Outubro está entre nós e com ele todas as expectativas para o mês mais trevoso do...

Por DarkSide
Crime SceneGraphic NovelLivros

3 Livros sobre Jeffrey Dahmer publicados pela DarkSide®

A série da Netflix sobre os crimes cometidos por Jeffrey Dahmer dão alguns insights...

Por DarkSide
DarkloveFilmes

Os paralelos entre A Mulher Rei e Ela Seria o Rei

O filme A Mulher Rei estreou em meados de setembro e apresenta Viola Davis como...

Por Dayhara Martins
ArtigoMagicae

A bruxaria é um ato político

“Eu sou bruxa.” Essas três palavrinhas sempre irão causar algum tipo de reação,...

Por DarkSide
FilmesHalloweenNovidades

Halloween está de volta aos cinemas

Uma das grandes certezas do universo do terror é a de que Michael Myers sempre...

Por DarkSide