Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


EntrevistaPrêmio Machado

Bruno Ribeiro: “Porco de Raça é um Esaú e Jacó da deep web”

Conheça melhor o vencedor do Prêmio Machado na categoria Romance/Conto e saiba o que esperar de Porco de Raça.

O sentimento de ser o deslocado do grupo de colegas do colégio foi o gatilho que levou Bruno Ribeiro a escrever. Nascido em 1989 em Minas Gerais, mas Radicado na Paraíba, o escritor que também tem experiência com tradução e roteiro é o vencedor do 1º Prêmio Machado Darkside na categoria Romance/Conto. Ele é mestre em Escrita Criativa pela Universidad Nacional de Tres de Febrero e editor da Revista Sexus.

LEIA TAMBÉM: PRIMEIRA EDIÇÃO DO PRÊMIO MACHADO DARKSIDE ANUNCIA SEUS GANHADORES

A obra vencedora de Ribeiro é Porco de Raça, uma distopia humana, sombria, visceral, potente, violenta e repleta de horror, do jeito que os fãs da Caveira gostam. A narrativa acompanha um professor negro, falido, preso a uma cadeia de acontecimentos inescapáveis que o levam a uma jornada rumo à própria degradação física. Em sua obra, o escritor funde e distorce gêneros que vão da ficção pulp ao revisionismo histórico, orquestrando um enredo que une entretenimento a uma dura crítica social. 

Em entrevista ao DarkBlog, Bruno Ribeiro compartilha um pouco de sua trajetória e a escolha de sua obra para o Prêmio Machado. O escritor ainda conta um pouco do que os leitores podem esperar de Porco de Raça.

DarkSide: Como o sonho de ser escritor começou para você?

Bruno Ribeiro: Sempre tive um interesse genuíno pelo mundo das artes e comecei a escrever cedo, lá pelos meus 16 anos. Iniciei fazendo quadrinhos, mas logo percebi que não curtia desenhar e sim escrever. Gosto de falar que coloquei as primeiras palavras na página em branco depois de não ter sido convidado para uma festa dos meus colegas do colégio! Brincadeiras à parte, me sentia deslocado na adolescência e passei por vários problemas nesse período, incluindo casos de bullying. Então, isso de me sentir um corpo estranho nos lugares foi o que serviu de gatilho para eu mergulhar no sonho de ser escritor e buscar transformar esse desejo em algo concreto, que atravessasse a minha vida adulta.

D: De onde surgiu a inspiração para escrever a obra Porco de Raça?

BR: Sempre tive que correr atrás da tal inspiração e as ideias para os meus livros nunca surgem de uma vez só, elas chegam em fragmentos. Geralmente, através de imagens, pois sou muito visual. Em Porco de Raça, a primeira imagem que veio foi a de um homem ferido com uma máscara de porco, depois o visualizei em um ringue e me perguntei: “O que esse cara está fazendo neste ringue?”. A partir disso fui construindo esse personagem kafkiano, sua vida, família, amores, motivações, conflitos, traumas, e quando me dei conta a ideia do romance foi se solidificando. O ponto final para fechar o tema do livro foi quando me dei conta de que esse homem ferido com uma máscara de porco poderia ser eu ou pessoas próximas de mim.

D: Como foi o processo de criação da obra? Ela já estava pronta ou foi algo que surgiu aos poucos com o prêmio?

BR: O romance se chamava Porco Sucio e eu o terminei em 2014. Passei para amigos de confiança lerem, eles acharam ruim e fizeram várias críticas. Deixei o livro descansando e retornei a ele em 2017, quando reescrevi tudo, mudei o título (foi de Lute, Porco a Porco mergulhado em amônio) e o transformei basicamente em outro livro. Desde então, mexi pouco nele, mudando uma coisa ou outra e fazendo anotações, pois o meu processo criativo envolve anotar ideias em cadernos. Foi agora, em 2020, que eu decidi retomá-lo a sério. O anúncio do prêmio me incentivou também a concluí-lo de vez: reescrevi mais coisas, incluí um capítulo e finalmente cheguei ao título Porco de Raça.

D: Em Porco de Raça você funde e distorce vários gêneros e subgêneros — da ficção pulp ao revisionismo histórico. O que os leitores da DarkSide® podem esperar dessa obra?

BR: Sim, adoro fundir e brincar com os gêneros, eles são pontos de partida para eu experimentar com as diversas regras e possibilidades geradas. Em Porco de Raça, os leitores da DarkSide® podem esperar uma obra provocadora na linguagem e na trama, que lida com temas urgentes, como o preconceito racial e a desigualdade, de forma surreal, aterrorizante e transgressora, sem amaciar para ninguém, pelo contrário. O livro também fala de mim e dos meus, dos atos racistas que sofremos e dos traumas que insistem em permanecer. Fora isso, os livros que eu admiro são aqueles corajosos, ambíguos, que colocam o dedo na ferida e permitem uma pluralidade de leituras e entendimentos. Então, pra finalizar, o pessoal pode esperar um romance que irá gerar mais perguntas do que respostas.

D: Quais autores inspiraram vocês no processo de escrita da obra e como eles continuam te inspirando?

BR: O livro Esaú e Jacó, do Machado de Assis, foi uma baita inspiração. No meu romance, eu conto a história de dois irmãos que dialogam bastante com os gêmeos Pedro e Paulo do Machado. Irmãos com ideologias diferentes e visões de mundo contrárias, vivendo em um país em transe. Porco de Raça é um Esaú e Jacó da deep web. Fora essa obra, me inspirei bastante no Franz Kafka, Toni Morrison, Colson Whitehead, Lima Barreto, Cruz e Souza, Mary Shelley, Clive Barker, Ana Paula Maia, o blues do Robert Johnson, o rap do Sabotage e dos Racionais MCs e o cinema do David Lynch. Esses artistas continuam me inspirando pela verdade e inventividade das suas produções. O Machado de Assis mesmo é um escritor que está sempre na minha cabeceira.  

D: Como foi receber a notícia que tinha vencido o Prêmio Machado?

BR: É o tipo de notícia que muda a sua vida. Eu sempre amei a DarkSide® e ter a possibilidade de publicar nesta editora que combina tanto com o que eu produzo, é algo que me deixa com o coração na garganta. Quando eu recebi a notícia, liguei para os meus pais, pois eles sempre me deram apoio para continuar escrevendo. Depois, contei para a minha noiva e alguns amigos. Em seguida, abri uma cerveja, deitei na rede da varanda, e fiquei esperando a ficha cair (até agora ela não caiu, mas uma hora cai).

D: Qual a importância de projetos como o Prêmio Machado para o incentivo à literatura brasileira?

BR: É um projeto importantíssimo para a literatura do país. Sabemos das dificuldades para se produzir arte no Brasil e o Prêmio Machado DarkSide é um incentivo para continuarmos desenvolvendo as nossas ideias. Eu vivo do entorno literário, através de aulas de escrita criativa e traduções, então esse prêmio significa um gás extra para eu continuar tendo tempo para escrever. E tempo é algo valioso para nós escritores.

LEIA TAMBÉM: MACHADO DE ASSIS E A IRONIA DE 2020

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

21 Comentários

  • Ozéias

    24 de novembro de 2020 às 07:25

    Dos vencedores do prêmio, PORCO DE RAÇA, é o que mais aguardo! Estou na torcida para o prêmio se tornar uma tradição da editora.

  • Archidy de Noronha Picado Filho

    24 de novembro de 2020 às 09:27

    Parabéns ao Bruno Ribeiro pelo prêmio, exemplo e incentivo para quem deseja se aventurar pelas possibilidades da Literatura.

  • Maria

    25 de novembro de 2020 às 13:22

    Que entrevista bacana, quero muito ler esse livro.

    • Avatar photo

      DarkSide

      25 de novembro de 2020 às 13:29

      Caveirinha está ansiosa pra que todos leiam!

  • Andre

    3 de dezembro de 2020 às 12:19

    Ansioso demais por isso! Espero que saia o quanto antes <3

  • Marcos

    4 de dezembro de 2020 às 14:57

    MEU DEUS EU AMEEEEEEI JÁ QUERO!!!!!!!

  • Winston Martins

    4 de dezembro de 2020 às 15:09

    Parabéns pela conquista!!! ✊? O livro será lançado pela Darkside?

  • L.F. d"Oliveira

    4 de dezembro de 2020 às 15:18

    Parabéns, Bruno Ribeiro! Muito sucesso com o livro

  • Stephany

    4 de dezembro de 2020 às 15:37

    Aaah, que entrevista mais gostosa de ler! Obrigada por compartilhar mais do seu processo criativo, Bruno. Com certeza as suas palavras e a sua história servem de incentivo pra gente. Mal vejo a hora de ler esse livro. Obrigada, DarkSide, por sempre incentivar autores com tanto carinho! Sou fã da editora certa <3

  • andreia

    4 de dezembro de 2020 às 19:10

    me deixou com mais vontade de ler . e Parabéns

  • Eldes Ferreira

    4 de dezembro de 2020 às 22:31

    Eu também estou ansioso para ler este livro! Parabéns pela bela entrevista e pela premiação merecidíssima. SUCESSO!

  • Romildes

    5 de dezembro de 2020 às 23:15

    Fiquei muito feliz em ler sua entrevista Bruno, parabéns e sucesso!

  • Stela Maris Baldissera

    7 de dezembro de 2020 às 08:58

    Participei pela categoria poemas, e fico feliz pela iniciativa da Darkside, espero este tipo de incentivo continue. Ansiosa pela leitura! Parabéns Bruno Ribeiro, pela obra e pela entrevista!!

    • Avatar photo

      DarkSide

      7 de dezembro de 2020 às 10:34

      Parabéns por ter participado! Em 2021 teremos mais.

  • Yzumi

    9 de dezembro de 2020 às 18:44

    Nossa! Eu adorei. Espero que não que vem tenha mais uma edição desse prêmio. Fico muito feliz pelo ganhador. Estou ansioso pra ler o livro dele

    • Avatar photo

      DarkSide

      10 de dezembro de 2020 às 10:34

      Caveirinha já anunciou que em 2021 teremos mais uma edição do Prêmio Machado sim, só não temos ainda a data confirmada.

  • Renato Almeida

    15 de dezembro de 2020 às 14:25

    Muuuuito ansioso para ler esse livro, a sinopse é FODA! Parabéns, Bruno!

    • Avatar photo

      DarkSide

      16 de dezembro de 2020 às 11:04

      A Caveira está ansiosa para todos vocês lerem!

  • Arlei Nascimento

    12 de janeiro de 2021 às 01:27

    Parabéns e muito sucesso pela frente, Bruno! Ansioso para ler!!!

  • Sah de Souza

    18 de janeiro de 2021 às 17:58

    Adorei, fico feliz que distopias maravilhosas como essas comecem a ter espaço no nosso país, é meu tipo de livro, vou ler com certeza!
    Parabéns

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneGraphic NovelLivros

3 Livros sobre Jeffrey Dahmer publicados pela DarkSide®

A série da Netflix sobre os crimes cometidos por Jeffrey Dahmer dão alguns insights...

Por DarkSide
DarkloveFilmes

Os paralelos entre A Mulher Rei e Ela Seria o Rei

O filme A Mulher Rei estreou em meados de setembro e apresenta Viola Davis como...

Por Dayhara Martins
ArtigoMagicae

A bruxaria é um ato político

“Eu sou bruxa.” Essas três palavrinhas sempre irão causar algum tipo de reação,...

Por DarkSide
FilmesHalloweenNovidades

Halloween está de volta aos cinemas

Uma das grandes certezas do universo do terror é a de que Michael Myers sempre...

Por DarkSide
CuriosidadesMacabra

A macabra medicina dos médicos que fazem cirurgias em si próprios

Quem já precisou passar por uma cirurgia deve se lembrar bem de todos os cuidados...

Por DarkSide