Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

CrânioLançamentoPerfil

Conheça Sara Stopazzolli, autora de Elas em Legítima Defesa

Jornalista fez pesquisa e roteiro de documentário sobre mulheres que se viram obrigadas a matar seus parceiros.

Sororidade e feminismo são dois assuntos que Sara Stopazzolli conhece muito bem. Natural de Florianópolis, a jornalista, pesquisadora e roteirista deu um olhar carregado de empatia e compreensão às entrevistadas no documentário Legítima Defesa, que retrata mulheres vítimas de violência que se viram obrigadas a matar seus companheiros abusadores.

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Sara não tem medo de investigar e pesquisar temas polêmicos. Enquanto ainda era estudante, o seu trabalho de conclusão de curso foi uma reportagem sobre sexo tântrico e como os homens poderiam trabalhar sua energia sexual.

Por mais de dez anos, Sara Stopazzolli trabalhou como repórter e colaborou com publicações nacionais de renome, como as revistas Trip, TPM, piauí e a Revista do Globo. Os temas predominantes do seu trabalho neste período envolviam perfis e reportagens de comportamento.

Em seu tempo livre, Sara gosta de ir à praia, passar tempo com sua filha e praticar beachtennis. Feminista, ela defende e pratica a sororidade dentro e fora do ambiente de trabalho.

Em 2013, ela e a irmã Leda Stopazzolli fundaram a produtora Mera Semelhança, que desenvolve projetos audiovisuais, como o documentário Legítima Defesa. Um dos objetivos da produtora das duas irmãs é trabalhar intensamente no desenvolvimento de seus projetos, pesquisando em profundidade os temas abordados.

LEIA TAMBÉM: ILANA CASOY: O NOME DA LITERATURA DE CRIMINOLOGIA NO BRASIL

Os projetos liderados por Sara e Leda são engajados e tratam de temas relacionados à sociedade e aos direitos humanos. Com produções feitas por e para mulheres, alguns temas abordados envolvem violência doméstica e abortos clandestinos.

Legítima Defesa e o pacto com a DarkSide® Books

Lançado em 2017, Legítima Defesa é resultado de uma pesquisa que durou mais de quatro anos, cheio de percalços na busca por fontes. A produção é uma parceria entre a Mera Semelhança e a Ocean Films e dá voz às mulheres vítimas de violência que se viram obrigadas a matar seus companheiros abusadores para preservarem a própria vida.

A ideia do documentário surgiu em 2013 e partiu de Leda, que ficou responsável pela produção. Sara se encarregou da pesquisa e do roteiro, mas esta não foi uma tarefa fácil. Além da dificuldade em encontrar estatísticas sobre este tipo de crime, são pouquíssimas as pessoas que passaram por isso que estão dispostas a falar sobre o tema em uma entrevista.

O documentário foi lançado na mostra competitiva do Festival Internacional Mujeres en Foco, em Buenos Aires, de onde saiu premiado. Além disso, o material rodou o Brasil em mostras locais, incentivando o debate sobre um tema tão delicado. Hoje ele está disponível nos canais de streaming NOW e VIVO Play.

De um tema tão relevante e uma pesquisa tão vasta, surgiu o pacto com a DarkSide® Books. O livro Elas em Legítima Defesa: Elas sobreviveram para contar não apenas acompanha a trajetória das entrevistadas, mas dá amplitude ao material do documentário. A publicação apresenta a pesquisa completa de Sara Stopazzolli, com histórias inéditas, novos dados e estatísticas que aprofundam o tema.

Com a pesquisa incansável de Sara e a empatia de quem sabe a importância da sororidade, a jornalista resgata a voz e a dignidade de mulheres que vivenciaram o horror de onde deveria vir apenas amor, e que sobreviveram para contar suas histórias.

Outros trabalhos

Sara lançou em abril de 2020 o curta documentário Escola de Homens, que acompanha 8 encontros de homens que respondem a processos por crimes relacionados à violência doméstica e familiar contra a mulher e que foram encaminhados para o grupo reflexivo Escola de Homens, na Baixada Fluminense.

A jornalista também possui um podcast, chamado Luneta do Crime, um projeto independente que pretende apresentar um raio X mais humano sobre violência contra a mulher, seus contextos e motivações. Segundo registros oficiais, de três a quatro mulheres são assassinadas todos os dias no Brasil. A cada episódio, o Luneta do Crime relata histórias* que estão por trás desses números e apresenta o enredo de um crime motivado pelo machismo. *O conteúdo não é indicado a pessoas sensíveis a narrativas que contenham violência.

Caso você seja vítima ou conheça alguma mulher vítima de violência, não se silencie. Disque os números 190 (Polícia Militar), 180 (Central de Atendimento à Mulher) ou 100 (Disque Direitos Humanos). Vale lembrar que vizinhos e testemunhas também podem fazer a denúncia em nome da vítima.

LEIA TAMBÉM: ISOLAMENTO SOCIAL DISPARA CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesGraphic Novel

O Príncipe e a Costureira ganhará musical produzido pela equipe de Frozen

Segundo o site Playbill, a graphic novel de Jen Wang, O Príncipe e a Costureira, vai...

Por DarkSide
Crime ScenePerfil

Nicholas Pileggi: De repórter policial a roteirista de filmes de máfia

Ser um repórter criminal na Nova York dos anos 1950 era trabalhar em uma das editorias...

Por DarkSide
DarksidePerfil

Agatha Christie: 130 anos de influência na literatura de suspense

Um assassinato foi cometido. Você está em uma sala com vários possíveis suspeitos,...

Por DarkSide
Lançamento

Chega à DarkSide®, a obra Dicionário Agatha Christie de Venenos

“Foi o começo de tudo. De repente, vi meu caminho com clareza. E decidi cometer não...

Por DarkSide
DarksideSéries

Série Bom Dia, Verônica da Netflix ganha trailer oficial e novos pôsteres

Com estreia confirmada para 1º de outubro, a série Bom Dia, Verônica produzida pela...

Por DarkSide