Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


CuriosidadesFilmesMedo Clássico

Qual a relação entre Pobres Criaturas e Frankenstein?

Longa de Yorgos Lanthimos tem fortes inspirações na obra de Mary Shelley

31/01/2024

Um dos filmes mais celebrados da temporada de premiações desse ano tem uma profunda conexão com um clássico de terror — por mais que esse não seja o gênero do longa. Pobres Criaturas é sucesso de crítica e desponta com onze indicações ao Oscar®, isso depois de ter abocanhado os prêmios de Melhor Atriz de Comédia ou Musical para Emma Stone e Melhor Filme nos mesmos gêneros no Globo de Ouro.

LEIA TAMBÉM: 40 ESTREIAS DE FILMES DE TERROR EM 2024 PARA FICAR DE OLHO

O diretor da produção, Yorgos Lanthimos, é um conhecido dos entusiastas da sétima arte e se destacou recentemente no Oscar® com o filme A Favorita. Porém, o cineasta é mais lembrado por seus filmes desconfortáveis e enervantes, que têm sua marca bem característica, como O Lagosta e O Sacrifício do Cervo Sagrado. Agora ele chegou com uma história nova, mas ao mesmo tempo velha conhecida dos DarkSiders.

Sobre o que é o filme Pobres Criaturas?

Adaptado do romance de Alasdair Gray, o longa conta a história de Bella Baxter (Emma Stone), uma criatura vitoriana um tanto curiosa e com um passado fora do comum. Apesar de aparentar ser uma mulher adulta, Bella é uma “mulher-criança”, produto de um experimento em que o seu criador e figura paterna, Dr. Godwin Baxter (Willem Dafoe), reanimou seu cadáver e substituiu seu cérebro com o do feto que ela estava gestando na época. Há até um trocadilho inteligente em que o apelido do doutor é “God”, “deus” em inglês.

poor things filme

O experimento do Dr. Godwin faz de Bella tanto mãe quanto filha, embora ao mesmo tempo não seja nenhuma das duas. Tomada pela confusão, ela lida com sua identidade e o mundo desconcertante à sua volta. Guiada pelo Dr. Godwin, Bella embarca em uma jornada perigosa para recuperar seu conhecimento perdido sobre a complexidade da vida

Ainda assim, um sentimento sufocante de se sentir presa em uma armadilha motiva Bella a viajar com um advogado pouco confiável chamado Duncan Wedderburn (Mark Ruffalo). Juntos, eles cruzam um reino além daquilo que conhecemos, onde Bella confronta diversos conceitos e preconceitos de sua época. Resumidamente, é uma jornada de autodescoberta com nossa protagonista buscando as respostas que poderiam libertá-la.

LEIA TAMBÉM: FRANKENSTEIN NA CULTURA POP

Se isso lhe parece uma releitura feminina de Frankenstein, é porque a obra de Alasdair Gray, publicada originalmente em 1992, é uma versão moderna e bem inteligente do clássico. Por mais que Lanthimos e o roteirista Tony McNamara afirmem que não tenham se inspirado muito em Frankenstein, é evidente que a história deve muito à obra de Mary Shelley.

frankenstein monster edition

Conexões entre Pobres Criaturas e Frankenstein

Poucas histórias resistem tão bem ao teste do tempo como o romance imortal de Mary Shelley. Uma obra-prima do terror gótico, Frankenstein tem deixado sua marca na literatura e na cultura pop como um todo eternizando os personagens do cientista que quer criar vida e sua criatura, simplesmente lançada no mundo como algo monstruoso.

Nesse contexto, o livro de Gray surge como uma resposta audaciosa à história de Shelley. Enquanto Frankenstein aborda as consequências da busca irresponsável do ser humano pelo progresso científico, Pobres Criaturas segue por outro caminho, dando contornos de humor ácido, crítica social e elementos fantásticos ao clássico.

Levando em consideração que Bella embarca em sua jornada de autoconhecimento, lidando com conceitos como identidade e liberdade, é como se Gray expandisse Frankenstein além da história original. A obra explora temas como desigualdade social, feminismo e memória, enquanto inclui eventos históricos à sua narrativa.

poor things

Os dois autores possuem um fascínio pelos limites da existência humana. Porém, enquanto a trama de Mary Shelley está repleta de romantismo sinistro, a escrita de Gray assume uma voz bem distinta e característica dos escoceses, acrescentando sagacidade, sátira e um toque de absurdo à história. 

A estrutura narrativa de Pobres Criaturas é apresentada por meio de narradores não confiáveis, o que nos leva a questionar o que é real e o que é apenas um ponto de vista de quem está contando a história naquele momento. Uma camada extra de intriga é acrescentada com sucesso, jogando o público em um labirinto de vozes e meias-verdades. 

Enquanto a Criatura de Mary Shelley é um amálgama de partes do corpo distintas, Bella Baxter pode até aparentar uma integridade física, mas ela é também uma colcha de retalhos, unindo uma mulher adulta e uma criança. Apesar dessas diferenças, ambos são fruto de um experimento científico decorrente de um criador ambicioso, com aspirações quase divinas, e que pouco se importam com a adequação de suas criaturas no mundo em que vivem.

indicados globo de ouro 2024

As jornadas de ambos também diferem. Enquanto a Criatura de Victor Frankenstein está em uma missão de conexão e vingança, Bella acaba embarcando em uma experiência de autodescoberta e busca por liberdade. Ambos, no entanto, são dignos da simpatia do público, levando-o a questionar a natureza da humanidade, a ética das experimentações científicas e os limites da empatia. 

Uma visão feminista de ambas as obras

Para a pesquisadora Anne K. Mellor, autora da biografia Mary Shelley: Her Life, Her Fiction, Her Monsters [Mary Shelley: Sua vida, sua ficção, seus monstros], a história de origem e a essência de Bella seguem o legado feminista da autora de Frankenstein. Para ela, o clássico se refere basicamente ao poder e como ele nos induz ao erro: “Victor Frankenstein está tentando tomar para si a habilidade de criar vida por conta própria, tirando-a da Mãe Natureza e das mulheres. O que resulta em um exemplo do que acontece quando uma mulher é apagada, o que o patriarcado, na prática, tenta fazer”, defendeu à revista TIME.

As referências em Pobres Criaturas vão além da obra de Mary Shelley, estendendo-se à sua biografia. Godwin Baxter, por exemplo, é uma referência ao pai da autora, William Godwin, que parcialmente inspirou o personagem de Victor Frankenstein. Shelley teve uma relação conturbada com o pai: por mais que ele tivesse assumido a educação da filha após a morte da mãe, Mary Wollstonecraft, a dinâmica mudou após seu segundo casamento. Quando ela fugiu e se casou com o poeta Percy Shelley, foi deserdada pelo pai. Essa relação de rejeição e anseio pela figura paterna é reproduzida por ela na dinâmica entre a Criatura e o cientista que a criou. Mais detalhes sobre as biografias de mãe e filha estão no livro Mulheres Extraordinárias: As Criadoras e a Criatura.

mary shelley e mary wolltonecraft

A própria jornada de Bella estabelece um paralelo tanto com Mary Shelley como com sua mãe, uma notória ativista feminista e autora do livro Reivindicação dos Direitos das Mulheres. A liberação sexual de Bella serve como uma boa referência a ambas autoras, que mantiveram relacionamentos fora do casamento, o que desafiava as convenções de suas épocas.

Um dos exemplos mais gritantes dessa influência feminista em Pobres Criaturas está nos paralelos entre Bella e Safie, uma personagem menor de Frankenstein inspirada em Wollstonecraft. Na obra de Mary Shelley, Safie é uma mulher cristã que foge da opressão patriarcal na Turquia. É através de Safie que a Criatura recebe alguma educação. A jornada da personagem e o desejo de aprendizado refletem na jornada de Bella.

A busca pelo conhecimento, por entender o seu lugar no mundo e pela própria liberdade é algo que une tanto Mary Wollstonecraft, como Mary Shelley e agora a personagem Bella Baxter. Pobres Criaturas não é apenas uma releitura de Frankenstein, é uma homenagem às suas criadoras. No fim das contas, somos todas criaturas. Somos todas criadoras.

LEIA TAMBÉM: ESCRITORA, FILÓSOFA E FEMINISTA: QUEM FOI MARY WOLLSTONECRAFT

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Frankenstein
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesFirestar Videolocadora

Next of Kin: Mais perto do horror do que você imagina

Uma das formas mais efetivas para que um filme, um livro, ou outra produção...

Por Cesar Bravo
FilmesNovidades

MaXXXine: Ti West e Lily Collins chocam fãs com sessão surpresa do filme

Era para ser uma sessão dupla de X e Pearl, mas então veio o plot twist. O diretor Ti...

Por DarkSide
LivrosMagicae

5 Reflexões valiosas do livro Inverno da Alma

Você já parou pra pensar o quanto as estações do ano estão associadas aos nossos...

Por DarkSide
CuriosidadesDarkside

4 Expedições polares que deram terrivelmente errado

Desde que entendemos o planeta do jeito que ele é (redondo, para que não fiquem...

Por DarkSide
CuriosidadesMacabra

Como morreu Harry Houdini?

Harry Houdini teve uma carreira tão prolífica na arte do ilusionismo que ganhou o...

Por DarkSide