Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Crime SceneCuriosidadesVários

A utilização do Teste de Rorschach no caso Richthofen

Teste da mancha de tinta foi utilizado para avaliar possibilidade de reintegração à sociedade

14/06/2021

Compreender os abismos da mente humana permanece um desafio para os profissionais da psicologia e da psiquiatria, principalmente quando isso envolve investigar as motivações de criminosos. Diversos exames, protocolos e questionários são aplicados nesta abordagem, incluindo o famoso Teste de Rorschach.

LEIA TAMBÉM: QUEM FOI HERMANN RORSCHACH, QUE DESENVOLVEU O TESTE DE MANCHA DE TINTA

As origens do teste que se utiliza de manchas de tinta para investigar a mente estão em Teste de Rorschach, livro de Damion Searls que conta como Hermann Rorschach uniu arte e ciência em uma ferramenta de investigação utilizada até hoje. 

Aplicações do Teste de Rorschach

O principal objetivo do Teste é fornecer informações sobre variações cognitivas e de personalidade. Ele ajuda a identificar motivações, tendências responsivas, operações cognitivas, afetividade e percepções pessoais e interpessoais

Trata-se de um teste projetivo, ou seja, uma abordagem que se baseia na hipótese projetiva, em que a pessoa examinada procura organizar uma informação ambígua, projetando aspectos de sua personalidade nesta interpretação. A partir disso, o psicólogo que aplicou o teste tem a possibilidade de reconstruir o que levou a pessoa a dar tais respostas.

A hipótese projetiva, na qual se baseia o Teste de Rorschach, tem fundamento no conceito freudiano da projeção: um mecanismo de defesa em que o indivíduo atribui inconscientemente características negativas da própria personalidade. Além disso, na projeção generalizada ou assimilativa há a tendência de determinadas características da personalidade, necessidades e experiências de vida influenciarem o indivíduo na interpretação de estímulos ambíguos.

As principais vantagens dos testes projetivos em relação aos estruturados, de acordo com seus defensores, são: enganar os mecanismos de defesa do indivíduo e permitir ao intérprete (psicólogo que interpreta os resultados) ter acesso a conteúdos não acessíveis à consciência de quem está sendo testado.

Nos Estados Unidos, o Teste de Rorschach é utilizado quase que exclusivamente por psicólogos. Ele é aplicado por psicólogos forenses em 36% dos casos. Além de seu uso para fins de criminologia, o Teste é empregado em alguns casos de guarda familiar, clínicas de psicologia e em escolas.

Caso Richthofen e o Teste de Rorschach

O crime que chocou o Brasil provocou muita especulação sobre as motivações dos assassinos. Afinal, o que explica a participação de uma jovem no planejamento e na execução da morte dos pais? E mais: trata-se de um crime pontual ou a liberdade de Suzane representa uma ameaça à sociedade?

Detalhes do caso são contados no livro Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni, de Ilana Casoy, publicado pelo selo Crime Scene. A obra mostra ao leitor o comportamento dos três assassinos, com direito a contradições e erros decisivos, a distância de Suzane ao relatar os fatos, o descontrole de Daniel Cravinhos na reprodução simulada do crime, depoimentos e técnicas de investigação da polícia, dos médicos legistas, peritos e especialistas, que levaram à confissão dos assassinatos.

LEIA TAMBÉM: CASOS DE FAMÍLIA: 7 CURIOSIDADES SOBRE O CASO RICHTHOFEN

Condenada a 39 anos de prisão, Suzane constantemente desperta o interesse da mídia e do público por seu comportamento enquanto cumpre pena. Em 2018, quando existia a possibilidade de que ela cumprisse o restante da sua sentença em liberdade, um Teste de Rorschach foi aplicado para auxiliar no entendimento de ela oferecer ou não ameaça a outras pessoas.

O exame foi um pedido do Ministério Público para corroborar a decisão de permitir ou não a reintegração de Suzane à sociedade. O parecer do MP foi contrário à progressão da pena porque, com base nos resultados do teste, considerou que ela apresenta risco potencial à sociedade devido à sua dificuldade em avaliar o resultado de seus atos.

À época, a imprensa divulgou que o Teste ainda indicou que Suzane apresenta comportamento egocêntrico e narcisista, não sentindo culpa ou remorso por suas ações do passado. Além disso, a avaliação apontou comportamento infantil, imaturo e falta de capacidade de autocrítica.

Quatro anos antes, em 2014, ela já havia sido submetida ao Teste de Rorschach quando seu regime poderia progredir para o semiaberto. Naquele ano os resultados foram semelhantes, indicando egocentrismo elevado, conduta infantilizada, possibilidade de descontrole emocional, personalidade narcisista e manipuladora, agressividade camuflada e onipotência. 

A controvérsia que cerca o Teste de Rorschach

Até que houvesse um sistema que unificasse a interpretação dos resultados obtidos no exame, o Teste de Rorschach recebeu muitas críticas pela sua falta de padronização. Mesmo com evoluções neste sentido, o exame está longe de ser aceito por todos os pesquisadores. 

Alguns autores apontam que o exame em si não é capaz de identificar a maior parte dos transtornos mentais da maneira como eles são definidos nos sistemas atuais. Apesar do Teste ser reconhecido em diversas áreas de pesquisa e como complementação ao diagnóstico de esquizofrenia ou desordens do pensamento, muitos cientistas não recomendam sua aplicação como método de diagnóstico psiquiátrico e em contexto forense.

Outra controvérsia diz respeito à divulgação do Teste, principalmente das imagens utilizadas, da forma de aplicação e interpretação. Muitos psicólogos acreditam que o simples conhecimento destas informações por parte da pessoa a ser testada já interfere na confiabilidade do teste, pois o paciente poderia simular suas interpretações, direcionando para um diagnóstico equivocado.

Ao longo dos tempos, o Teste evoluiu para se tornar um método mais confiável e atualizado de diagnóstico. O sistema de Exner é uma das metodologias que unificam a sua interpretação. No Brasil, tanto o Teste de Rorschach como o sistema de Exner são validados pelo Conselho Federal de Psicologia e o exame só pode ser aplicado por um profissional qualificado para tal.

LEIA TAMBÉM: DE ANDY WARHOL A JAY-Z: O TESTE DE RORSCHACH NA CULTURA POP

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

2 Comentários

  • Franklin Siqueira Santos

    18 de junho de 2021 às 10:26

    As explanações (Resenhas.) concernentes ao conteúdo dos livros são fantásticas, pois inteiram o leitor sobre o que ele encontrará naquele livro. Parabéns pela transparência e por nos oferecer só a nata da literatura dark.

    • Avatar photo

      DarkSide

      18 de junho de 2021 às 16:19

      Caveirinha se esforça para trazer o que há de melhor na literatura dark. <3

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Teste de Rorschach: A Origem + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
NovidadesSéries

O que esperar da terceira temporada de Chucky

A sede de sangue de Chucky segue forte e ele continuará aterrorizando os fãs por mais...

Por DarkSide
EntrevistaGraphic Novel

Thiago Souto conta ao DarkBlog os caminhos de seu Labirinto

Da nostalgia da infância aos desafios do amadurecimento, Labirinto é um verdadeiro...

Por DarkSide
Graphic NovelListas

8 Histórias em quadrinhos nacionais que você precisa conhecer

Quadrinhos são uma fonte rica de informação, entretenimento e de estímulos para a...

Por DarkSide
FilmesResenha

Caveira Viu: O Menu

A alta gastronomia possivelmente nunca esteve tão em alta como nos dias de hoje....

Por DarkSide
CuriosidadesGraphic Novel

Por que ler quadrinhos faz bem ao cérebro?

Houve um tempo em que histórias em quadrinhos eram desprezadas no meio literário....

Por DarkSide