Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Crime ScenePerfil

Quem foi Hermann Rorschach, que desenvolveu o teste de mancha de tinta

Método utilizado na Psicologia até os dias de hoje é abordado no lançamento do selo Crime Scene.

12/04/2021

O que você enxerga em uma mancha de tinta em um papel pode mesmo revelar aspectos da sua mente? Segundo o psiquiatra e psicanalista suíço Hermann Rorschach, sim. Ele foi um dos responsáveis por desenvolver o teste que hoje leva seu nome. A história completa de como esta metodologia está no livro Teste de Rorschach: A Origem, de Damion Searls, publicado pela DarkSide® Books através do selo Crime Scene.

LEIA TAMBÉM: TESTE DE RORSCHACH – A ORIGEM, POR DAMION SEARLS

Filho mais velho de três, Rorschach sempre teve sua vida dividida entre a arte e a ciência. Seu pai era um professor de artes que encorajou o filho a se expressar criativamente. Ele era um entusiasta da klecksografia e colecionava cartões com manchas de tinta. O jovem Hermann era tão fascinado pela técnica que seu apelido era Klex.

Entre a arte e a ciência

Quando chegou a época de concluir o colégio, Hermann Rorchach ainda se via dividido sobre qual carreira seguir: das artes ou da ciência. Ele chegou a escrever uma carta ao biólogo alemão Ernst Haeckel pedindo conselho. No fim das contas, um fator crucial para que ele não seguisse os passos de seu pai foi o falecimento do patriarca enquanto ele ainda estava decidindo sua carreira.

Decidido a seguir o conselho de Haeckel e a investir na carreira científica, o brilhante aluno de uma escola em Schaffhausen, na Suíça, entrou para a faculdade de medicina na Universidade de Zurique. Em seus estudos também aprendeu russo e, em 1906, quando morava em Berlim, chegou a ir para a Rússia nas férias.

Viajar tomava boa parte do tempo de Rorschach após a faculdade. Em uma visita a Dijon, na França, ele conheceu um homem que lhe ensinou sobre a cultura russa. Isso dividiu o jovem médico quanto a permanecer na Suíça ou a se mudar para a Rússia. Ele acabou ficando em seu país quando conseguiu um emprego como assistente médico em um hospital psiquiátrico. Eventualmente se mudou para a Rússia, mas logo retornou à Suíça.

Enquanto trabalhava no hospital, em 1912, Hermann Rorschach concluiu seu doutorado sob supervisão do psiquiatra Eugen Bleuler, que também foi professor de Carl Jung, fundador da psicologia analítica.

LEIA TAMBÉM: PSICOPATA AMERICANO: UMA REFLEXÃO PARA OS DIAS ATUAIS

A convivência nos círculos intelectuais da área levou Rorschach a se lembrar com bastante frequência da sua coleção de manchas de tinta. Em 1918, ele começou a perceber que pacientes diagnosticados com esquizofrenia faziam associações a partir das manchas de klecksografia diferentes das pessoas “normais”. Ele já havia feito testes semelhantes com crianças enquanto estudava medicina, mas foi a partir dos achados no hospital que ele desenvolveu o Teste de Rorschach como uma ferramenta para o diagnóstico de esquizofrenia.

Sua pesquisa deu origem ao livro Psicodiagnóstico, que formaria as bases para o teste de tinta. Porém, logo após a publicação o psiquiatra veio a falecer de peritonite, aos 37 anos de idade. A vida de Hermann Rorschach foi breve, mas seu legado vive até os dias de hoje graças às suas pesquisas na área que permitiram o desenvolvimento do teste

O Teste de Rorschach e seu legado

Hermann Rorschach não foi o primeiro a utilizar as manchas de tinta em testes. Autores como Binet, Henri, Dearborn, Kirkpatrick, entre outros, já utilizaram a técnica, porém, em estudos sobre imaginação e criatividade. Rorschach conduziu seus estudos no sentido de diagnosticar esquizofrenia.

Originalmente, o psiquiatra usava 40 pranchas diferentes, que mais tarde viraram apenas 15. O elevado número de imagens atrasou os planos de publicação do teste, já que os custos de produção eram bem elevados e a maioria dos editores se recusava a desenvolver um projeto tão caro. Em 1921 ele conseguiu que um editor de Berna publicasse a obra.

Na época, a publicação foi um fracasso e Rorschach não teve a oportunidade de aprofundar seus estudos devido à sua morte prematura. A comunidade científica não se mostrou interessada na técnica e a maioria dos 1.200 livros impressos estava em um depósito no momento da morte de seu autor.

Levou cerca de uma década para que os primeiros artigos começassem a ser publicados e o teste passou a ser respeitado. Com o autor já falecido, surgiram novos sistemas de codificação e interpretação do Teste de Rorschach. Outros autores passaram a advogar pela metodologia, como Hans Binder, Hans Behn-Eschenburg e David Levy, que a levou para os Estados Unidos. Com isso, surgiu a necessidade de unificar os diferentes sistemas criados a partir do que preconizava Rorschach – até hoje ainda há diferenças entre o sistema europeu e o norte-americano.

Os primeiros estudos do Teste de Rorschach no Brasil datam de 1927, e foram influenciados tanto pelo modelo europeu como pelo norte-americano. Entre os diversos sistemas utilizados no país, destacam-se os de Silveira, Klopfer, Exner, Francês e do R-PAS. Segundo a atual legislação brasileira, somente um psicólogo pode aplicar o teste, segundo normas éticas, além do guia de aplicação e interpretação do método que esteja de acordo com os critérios do Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos.

Em 2001 o teste da mancha de tinta foi chamado de “pseudociência” e considerado controverso pela revista Scientific American, após alguns psicólogos terem apresentado interpretações divergentes com base nos mesmos dados. Porém, em 2013 e 2015 duas avaliações sistêmicas e meta-análises foram publicadas, devolvendo a credibilidade ao teste perante a comunidade científica. 

Até hoje o Teste de Rorschach é um dos métodos de avaliação psicológica mais citados em pesquisas científicas publicadas na área da psicologia. 

LEIA TAMBÉM: AS MENTES PSICOPATAS MAIS PERTURBADORAS ESTUDADAS POR ILANA CASOY

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

1 Comentário

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Teste de Rorschach: A Origem + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
NovidadesSéries

O que esperar da terceira temporada de Chucky

A sede de sangue de Chucky segue forte e ele continuará aterrorizando os fãs por mais...

Por DarkSide
EntrevistaGraphic Novel

Thiago Souto conta ao DarkBlog os caminhos de seu Labirinto

Da nostalgia da infância aos desafios do amadurecimento, Labirinto é um verdadeiro...

Por DarkSide
Graphic NovelListas

8 Histórias em quadrinhos nacionais que você precisa conhecer

Quadrinhos são uma fonte rica de informação, entretenimento e de estímulos para a...

Por DarkSide
FilmesResenha

Caveira Viu: O Menu

A alta gastronomia possivelmente nunca esteve tão em alta como nos dias de hoje....

Por DarkSide
CuriosidadesGraphic Novel

Por que ler quadrinhos faz bem ao cérebro?

Houve um tempo em que histórias em quadrinhos eram desprezadas no meio literário....

Por DarkSide