Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

FilmesLivrosPerfil

Alfred Hitchcock: Filmes retratam o mestre do suspense nos bastidores

Duas produções buscaram explorar um pouco mais de camadas do diretor.

Alfred Hitchcock é considerado um dos maiores diretores do cinema de todos os tempos. Mesmo sem ter recebido um Oscar® por qualquer um de seus clássicos, o cineasta recebeu o título de Mestre do Suspense e foi responsável por algumas das produções mais enervantes já lançadas.

A carreira dele na indústria começou em 1920 desenhando sets. Logo, ele dirigia os filmes de estúdios na Inglaterra e 20 anos depois foi para Hollywood, onde contou com maior liberdade criativa e se consagrou no gênero do suspense. Hitchcock fazia um excelente trabalho em conciliar um design de produção ambicioso com as exigências dos estúdios para sucesso comercial.

O diretor trabalhou em muitos de seus projetos com a atriz Grace Kelly, uma das maiores estrelas de Hollywood na década de 1950. Ela protagonizou filmes de Hitchcock como Janela Indiscreta (1954), Disque M para Matar (1954) e Ladrão de Casaca (1955). 

O trabalho mais lembrado de Hitchcock até os dias de hoje é Psicose (1960). O filme revolucionou o suspense e a própria indústria, trazendo um pouco mais de nudez para o cinema mainstream e abrindo caminhos para que os filmes de terror alcançassem públicos maiores. 

LEIA TAMBÉM: PSICOSE E A INFLUÊNCIA NOS SLASHERS MODERNOS

Em 2012, duas produções buscaram explorar um pouco mais de camadas do diretor, mostrando como ele trabalhava nos bastidores de duas de suas obras. Hitchcock (2012) foca justamente no processo de produção de Psicose. Já A Garota (2012) é um telefilme que conta como foi feito o filme Os Pássaros (1963), revelando aspectos um pouco mais nefastos do diretor.

Hitchcock e os bastidores de Psicose

Um filme com a importância de Psicose merece uma produção à altura para falar sobre ele. Foi o caso de Hitchcock, que contou com um estrelado elenco: Anthony Hopkins no papel do diretor, Helen Mirren como a esposa dele, Alma Reville, e Scarlett Johansson como Janet Leigh, a estrela de Psicose.

A trama se concentra na vida pessoal do casal Hitchcock e Reville, que estava em um período da carreira em que muitos recomendavam suas respectivas aposentadorias. Sem intenção de deixar a indústria cinematográfica, os dois decidem aproveitar seu prestígio para abraçar um projeto ainda mais ousado: a adaptação do infame livro de Robert Bloch para as telonas.

Justamente pela controvérsia que o filme poderia causar, Hitchcock financiou boa parte do projeto, deixando seus lucros somente para a bilheteria que o longa fizesse. Claro que o roteiro de Hitchcock acrescentou várias coisas que não aconteceram na realidade, como o fato do diretor precisar re-hipotecar a casa e uma possível turbulência no casamento dele com Alma.

Com este foco mais na vida pessoal, o filme se empenha em mostrar a importância da esposa no trabalho do diretor. Além disso, Hitchcock caminha para uma abordagem de que o diretor se tornou possuído pelo próprio trabalho, por vezes repetindo o comportamento do psicopata Norman Bates. A genialidade dele é tratada como uma espécie de loucura.

LEIA TAMBÉM: BATES MOTEL E PSICOSE: DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS

O questionável comportamento dele no set e na relação com suas musas é tratado como uma espécie de patologia, mas de uma forma pouco polêmica e até um tanto engraçada. O filme flerta com algumas posturas inadequadas de Alfred Hitchcock, mas nunca chega a aprofundá-las, resumindo-o a um gênio excêntrico.

Apesar da ambição de um elenco estrelado, o filme dirigido por Sacha Gervasi teve uma recepção morna tanto de público como de crítica. Até mesmo nas premiações de cinema sua passagem foi bem discreta, com indicações em sua maioria por causa da maquiagem e alguns acenos para a atuação de Helen Mirren. 

A Garota e o lado perverso de Hitchcock no set

Em contraste com o tom mais ameno de Hitchcock, no mesmo ano foi lançado A Garota, um telefilme que mostra a relação do diretor com a atriz Tippi Hedren. Este telefilme tem uma mensagem bem distinta do outro longa: aqui o objetivo é mostrar o comportamento inapropriado e até mesmo predador do diretor no relacionamento com Hedren.

O longa provocou controvérsia desde seu lançamento, justamente por retratar Hitchcock como um predador sexual, uma visão que a maioria dos colegas de set não compartilha. Porém, esta abordagem não existe por acaso: o filme é uma adaptação do livro de Donald Spoto sobre a relação do diretor com suas musas. 

O foco fica nas denúncias que Tippi Hedren fez ao escritor de que o diretor era obcecado por ela e buscava controlar tudo o que ela fazia, inclusive as roupas que vestia. Segundo a atriz, Hitchcock fantasiava em fugir com ela. Ou seja, o filme foca mais na versão de Hedren sobre o diretor.

A produção da HBO contou com Toby Jones no papel de Hitchcock e de Sienna Miller no de Tippi Hedren. O roteiro é mais focado nos bastidores do filme Os Pássaros, o primeiro que ela fez com o diretor, e na obsessão dele por ela – principalmente após ainda não ter superado o casamento de Grace Kelly, que a tirou da indústria cinematográfica. Alfred Hitchcock queria que Hedren virasse sua nova musa.

No entanto, a relação dos dois foi bem conturbada no set. Uma das histórias mais conhecidas é a das filmagens do ataque de pássaros quando a atriz está em uma cabine telefônica. O diretor informou a Hedren que seriam utilizadas aves mecânicas, no entanto, no momento da gravação foram utilizados pássaros de verdade, cujos ataques deixaram Tippi Hedren ferida em um de seus olhos e quase cegaram a atriz

Apesar de toda a polêmica, o filme ainda conseguiu três indicações ao Globo de Ouro daquele ano: Melhor Minissérie ou Telefilme, Melhor Ator para Toby Jones e Melhor Atriz para Sienna Miller.

Os filmes fazem jus à personalidade de Hitchcock?

Alfred Hitchcock se consagrou como um gênio do cinema e isso costuma se sobrepor a eventuais denúncias sobre sua conduta nos sets. Por ser uma pessoa muito reservada e perfeccionista – sabe-se que ele não deixava seus atores mudarem falas no roteiro – sua personalidade ainda cai muito no campo das especulações, ora sendo chamado de excêntrico, ora de abusivo.

Nenhum dos dois filmes parece penetrar muito nas camadas e na mente do diretor. No entanto, Hitchcock e A Garota são duas obras essenciais para quem está mais interessado nos bastidores de duas grandes produções que marcaram a história do cinema e pra quem não tem medo de revisitar e questionar as virtudes de seus ídolos. Como o próprio Hitchcock falava: “o suspense é como uma mulher, quanto mais se deixa para a imaginação, mais empolgante se torna”. 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Psicose - Limited Edition + Brinde Exclusivo
R$ 59,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime ScenePerfil

Quem foi Robert K. Ressler, o agente do FBI que entrou na mente dos serial killers

Se você é fã do selo Crime Scene não precisamos reunir muitas evidências para...

Por DarkSide
FilmesHalloweenMacabra

31 Dias de Terror: Desafio Halloween

Por Macabra Você não precisa sair de casa para ter um mês de outubro aterrorizante....

Por DarkSide
MacabraPerfil

Jack Ketchum: “As pessoas me assustam mais do que qualquer monstro”

A ficção pode trazer histórias assustadoras, mas a realidade muitas vezes tem a...

Por DarkSide
Crime SceneLançamento

Mindhunter Profile: Serial Killers chega ao selo Crime Scene

“Quem combate monstruosidades deve cuidar para que não se torne um monstro. E se...

Por DarkSide
DarkSide BooksEntrevista

Dia do Tradutor: Conheça curiosidades e desafios da profissão

Eles não são dicionários bilíngues ambulantes e muito menos aplicativos de...

Por DarkSide