Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


CuriosidadesDarkside

Conheça a tradição afro-americana de ring shout

Ritual foi uma das inspirações para o livro de P. Djèlí Clark

Em Ring Shout: Grito de Liberdade, P. Djèlí Clark criou uma realidade alternativa para o estado sulista da Georgia nos anos 1920. Misturando fantasia com a dura realidade histórica da perseguição à população negra no estado, ele criou um cenário em que uma maldição engrossa as fileiras da Ku Klux Klan, dando origem a monstros chamados Ku Kluxes, que disseminam o preconceito e a discórdia.

LEIA TAMBÉM: LANÇAMENTO: RING SHOUT: GRITO DE LIBERDADE, DE P. DJÈLÍ CLARK

É nesse mundo que Maryse Boudreaux se divide entre a venda de uísque (contrabandeado, por causa da Lei Seca) e a luta contra os Ku Kluxes, com sua espada mágica, a cabeça cheia de histórias e a companhia de Sadie e Cordy. Uma jornada com contornos sobrenaturais para livrar o mundo do ódio.

Embora seja uma ficção, a obra de Clark tem raízes na realidade. Um dos elementos reais é o filme O Nascimento de uma Nação, de D. W. Griffith, que enaltecia os crimes cometidos pela Klan. O próprio nome da obra tem sua origem em uma tradição chamada ring shout.

O que significa ring shout e quais suas origens

Ring shout é uma tradição religiosa com origens na África Ocidental que foram misturadas a elementos do cristianismo. Trata-se de um ritual religioso iniciado pelos escravos africanos nas Índias Ocidentais e nos Estados Unidos

Na prática, os fiéis se reúnem em um círculo, arrastando e batendo os pés e batendo palmas, frequentemente rezando e cantando, e conduzindo o círculo em sentido anti-horário. Uma pessoa ditaria o ritmo, e suas frases seriam respondidas pelos demais fiéis. Na tradução literal, ring shout seria um círculo de gritos. Apesar do nome, o ato de gritar não é uma parte essencial do ritual.

Acredita-se que as origens do ring shout venham de danças africanas, que também apresentam elementos melódicos, de batidas que ditam o ritmo e a dinâmica de chamado e resposta, além da própria estética, do giro em sentido anti-horário e de uma atmosfera de transe de seus participantes. A cerimônia se assemelha aos rituais de povos como os ibos, iorubás, ibibios, efiks, bahumonos e bakongos

Alguns estudiosos acreditam que o ritual talvez tenha se originado nos rituais islâmicos da África Ocidental, como uma imitação ao tauafe, a procissão em massa ao redor da Caaba que ocorre durante a peregrinação à Meca. 

LEIA TAMBÉM: “IGUAIS, PORÉM SEPARADOS”: COMO AS LEIS JIM CROW PERMITIRAM A SEGREGAÇÃO RACIAL

Evolução do ring shout para os tempos atuais

Em alguns casos, pessoas escravizadas fugiam para as florestas à noite para realizar o ring shout, um ritual que costumava se estender por horas, levando os participantes a se retirarem por exaustão. No século XX, alguns fiéis afro-americanos nos Estados Unidos praticavam os shouts formando um círculo ao redor do altar, em frente a ele ou ao redor do corredor central da igreja.

Ring Shouters, 1930 Courtesy Anacostia Community Museum/Smithsonian Institution

Historiadores atribuem ao ring shout um elemento crucial para unificar as diversas colônias africanas escravizadas nos Estados Unidos. Mais tarde, os ritmos do ritual serviram de inspiração para o blues e o jazz

As práticas de ring shout foram cristianizadas e praticadas em algumas igrejas com predominância de fiéis afro-americanos. Elas ainda são realizadas hoje em dia pelas comunidades gullah e associadas a algumas congregações metodistas com prevalência de fiéis negros.

O ring shout na obra de P. Djèlí Clark

De acordo com o autor de Ring Shout: Grito de Liberdade, a música é um elemento crucial na história, bem como a tradição dos shouts. Clark destaca a importância da prática desde suas raízes africanas dos escravos e o poder espiritual para influenciar sua escrita.

No livro, ring shouts podem ser ouvidos no celeiro de Nana Jean, que permite que os praticantes dancem de acordo com a vontade do espírito até que sua influência se cesse. O ritual serve como uma conexão de Maryse com sua espada graças à sua habilidade de ouvir os cânticos dos mortos e suas conexões com os antigos deuses. As anotações entre os capítulos reproduzem as palavras de ex-escravos ao descrever diferentes ring shouts e seus propósitos específicos.

LEIA TAMBÉM: ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE FILMES NEGROS DE TERROR E FILMES DE TERROR COM NEGROS

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Sabor Amargo + Brinde Exclusivo
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Blanche em Apuros + Brindes Exclusivos
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesListasNovidades

8 Produções para ficar de olho em outubro na Netflix and Chills 2022

Outubro está entre nós e com ele todas as expectativas para o mês mais trevoso do...

Por DarkSide
Crime SceneGraphic NovelLivros

3 Livros sobre Jeffrey Dahmer publicados pela DarkSide®

A série da Netflix sobre os crimes cometidos por Jeffrey Dahmer dão alguns insights...

Por DarkSide
DarkloveFilmes

Os paralelos entre A Mulher Rei e Ela Seria o Rei

O filme A Mulher Rei estreou em meados de setembro e apresenta Viola Davis como...

Por Dayhara Martins
ArtigoMagicae

A bruxaria é um ato político

“Eu sou bruxa.” Essas três palavrinhas sempre irão causar algum tipo de reação,...

Por DarkSide
FilmesHalloweenNovidades

Halloween está de volta aos cinemas

Uma das grandes certezas do universo do terror é a de que Michael Myers sempre...

Por DarkSide