Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


CuriosidadesMacabra

Crimes Vitorianos Macabros: Curiosidades sobre Jack, o Estripador

Identidade do assassino permanece um mistério há mais de um século

23/07/2021

A Londres do final do século XIX parecia o centro do mundo: com seus imponentes prédios administrativos em Westminster, um considerável número de colônias espalhadas pelo mundo e a coroação da Rainha Vitória marcando a Era de Ouro do Reino Unido, aquele lugar exalava poder. Porém, ao mesmo tempo, a capital inglesa poderia ser um dos lugares mais sinistros do planeta.

LEIA TAMBÉM: LANÇAMENTO: CRIMES VITORIANOS MACABROS, DE KATE CLARKE, M.W. OLDRIDGE, NEIL R.A. BELL E TREVOR BOND

Em Crimes Vitorianos Macabros, um grupo de historiadores relata os casos mais funestos que marcaram a época, entre eles, o de Jack, o Estripador. Tema de inúmeros livros, filmes e séries, o assassino inspirou a primeira obra da saga Rastro de Sangue de Kerri Maniscalco, que mistura ficção com figuras malignas da história e da literatura.

Tudo começou em 31 de agosto de 1888, quando o corpo de uma mulher foi encontrado no distrito de Whitechapel. Sua garganta havia sido cortada e seu abdômen aberto e eviscerado. O que poderia ter sido apenas um homicídio isolado foi seguido por quatro outros assassinatos de mulheres, executados de maneira muito semelhante.

Tais crimes tumultuaram, para dizer o mínimo, toda a sociedade britânica: aristocratas assustados, a Rainha Vitória obcecada pelas histórias, antissemitas culpando os judeus e o serviço policial lidando com um tipo de criminoso que só teria um perfil estudado quase um século mais tarde: um serial killer.

LEIA TAMBÉM: RAINHA VITÓRIA: A MAIS MACABRA DAS VITORIANAS

Um dos fatores que explica a imortalidade de Jack, o Estripador é justamente tudo o que não se sabe sobre o caso. A identidade do assassino nunca foi consolidada, bem como a extensão de seus crimes. Isso dá margem para autores preencherem as lacunas e criarem eletrizantes histórias de ficção, como a própria Kerri Maniscalco, Alan Moore, Patricia Cornwell, Robert Bloch e tantos outros.

Entre o que é fato, o que é especulação e o que ainda é um mistério, o caso de Jack, o Estripador é repleto de curiosidades sinistras. A Caveira selecionou algumas delas: 

1. O assassinato de prostitutas era bem comum na região

Whitechapel fornecia um território propício para que coisas ruins acontecessem. Na década de 1880 a região sofria com superpopulação, pobreza, vícios, bandidos, mendigos, bêbados, e mais de mil prostitutas apenas naquela vizinhança. Ataques a mulheres, principalmente profissionais do sexo, eram bem frequentes.

O próprio assassinato de Mary Ann Nichols não chamou muita atenção num primeiro momento. Porém, quando as características do brutal assassinato se repetiram em outro caso, a polícia percebeu que estava diante de um problema diferente e de um assassino sem precedentes.

2. O número de vítimas permanece incerto

Oficialmente, Jack, o Estripador fez cinco vítimas, conhecidas como “as cinco canônicas”. Porém, todas estas mortes foram precedidas e seguidas por assassinatos adicionais nas regiões de Whitechapel e Spitalfields. Alguns entusiastas do caso afirmam que foram onze mortes causadas por Jack

A polícia discorda destas teorias e confirma apenas os cinco homicídios oficiais até hoje. Como o assassino nunca foi capturado, fica difícil descobrir a verdadeira extensão de seus crimes. Na época, mais de duas mil pessoas foram entrevistadas e 80 foram detidas, para mais tarde serem liberadas por falta de evidências.

3. Milhares de cartas-denúncia foram enviadas à polícia e à imprensa

O furor do caso foi tão grande que milhares de pessoas enviaram cartas à polícia e à imprensa tentando identificar o assassino. Algumas delas afirmavam ser o próprio Estripador. Até mesmo as correspondências consideradas legítimas por um tempo acabaram sendo desmascaradas e consideradas fraudulentas.

UNITED KINGDOM – CIRCA 2003: Police monitoring a suspect at the time of Jack the Ripper, London, 1888, engraving. England, 19th century. (Photo by DeAgostini/Getty Images)

A carta mais famosa relacionada ao caso, conhecida como “Do inferno”, não foi enviada à imprensa ou à polícia. Seu destinatário era George Lusk, o líder do Comitê de Vigilância de Whitechapel. A correspondência foi enviada junto de um pedaço de rim humano.

4. Vários suspeitos foram considerados para o caso

E nem só pela polícia. A imprensa tinha suas teorias e até a própria Rainha Vitória arriscou um palpite, suspeitando que o assassino fosse um marinheiro (Whitechapel fica próximo às docas de Londres). Pistas mal-interpretadas e um crescente clima antimigratório desencadeou até mesmo ações antissemitas, por pessoas que acreditavam que o assassino era judeu – Whitechapel foi fortemente colonizada por imigrantes judeus e russos naquela época.

Alguns dos nomes que permaneceram no topo da lista de suspeitos foram Aaron Kosminski e John “Jack” Pizer, dois trabalhadores judeus. Além deles, Francis Tumblety, um médico nascido nos Estados Unidos que possuía uma coleção de órgãos humanos e que diziam detestar prostitutas também foi investigado. Outro nome cogitado foi o de Seweryn Klosowski, um conhecido prisioneiro, mas que, até onde se sabe, não era um mutilador.

Um dos nomes que chegam a ventilar como um possível suspeito de ser Jack, o Estripador é o de H. H. Holmes, considerado o primeiro serial killer dos Estados Unidos. A suspeita se baseia na ideia de que os assassinatos de Jack em Londres pararam pouco antes de Holmes começar a sua matança no outro continente. A teoria, é claro, nunca se mostrou consistente (e quem leu H. H. Holmes – Maligno conhece um pouco do paradeiro dele durante esta época).

LEIA TAMBÉM: 10 CURIOSIDADES SOBRE H. H. HOLMES, O PRIMEIRO SERIAL KILLER DOS EUA

5. Aristocratas e membros da Família Real foram cogitados

Em 1962 surgiu uma teoria de que Jack poderia ser o príncipe Albert. Envolvido em diversos escândalos ao longo de sua vida, especula-se que ele tenha contraído sífilis de uma prostituta e, enlouquecido pela doença, teria cometido os assassinatos. Outra especulação é a de que ele teria um filho com uma prostituta e todas as mulheres assassinadas sabiam disso. 

Outras pessoas ligadas à família real também foram investigadas sob suspeita de serem Jack, o Estripador. Uma delas era Willy Clarkson, que confeccionava as perucas da realeza. Até mesmo o ginecologista da princesa Beatriz, Dr. Sir John Williams, foi apontado como suspeito – ele estaria estudando os corpos das vítimas em uma pesquisa sobre infertilidade feminina.

Mas afinal, quem poderia ser Jack, o Estripador?

A figura de Jack, o Estripador, como a conhecemos hoje, é criação do sensacionalismo da mídia, teorias conspiratórias e da criatividade de autores. As únicas coisas que sabemos a respeito do assassino é que ele matava mulheres, nem mesmo a quantidade é certa. Em pleno século XXI, ele permanece um entre tantos crimes macabros que marcaram a Era Vitoriana.


LEIA TAMBÉM: O FASCÍNIO DA ERA VITORIANA PELO MACABRO

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

4 Comentários

  • Ana Carolina

    9 de maio de 2022 às 15:52

    Amei, amo esse caso Meu preferido

  • Vic FT

    25 de agosto de 2022 às 19:52

    Incrível e horripilante

  • Lady Mechanika

    23 de novembro de 2022 às 16:50

    Quanto mais pesquiso sobre esse caso, mais interessada pela história eu fico! Acredito que o assassino não tenha sido tão meticuloso ou cuidadoso em esconder pistas, talvez ele nem se preocupasse com isso, mas o que o ajudou e muito a se safar impune foi a imperícia da polícia e falta de meios técnicos e científicos forenses!

  • Juliana

    24 de maio de 2023 às 21:40

    Penso exatamente o mesmo que vc lady mechanika. O ambiente em que eles viviam, o período histórico etc, favoreciam que essas coisas acontecessem. Um livro interessante sobre o caso é o livro “the five”, fortemente baseado em evidências sólidas, documentos oficiais etc, ele explora a vida das cinco vítimas canônicas, uma a uma desde a infância. E é muito interessante para ter uma ideia de como era a vida daquelas pessoas e como elas acabaram parando no meio desse lugar tão perigoso ( até uma que veio de outro país e viveu até a adolescência no campo).

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Crimes Vitorianos Macabros + Brinde Exclusivo
R$ 84,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Rastro de Sangue: Jack, O Estripador
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneCuriosidades

Jane Toppan: Conheça o caso dessa lady killer

Conhecida como “a primeira serial killer dos Estados Unidos”, Jane Toppan se valia...

Por DarkSide
FilmesFirestar Videolocadora

Deadly Blessing: Wes Craven, pesadelos e Sharon Stone

Alguns mestres supremos do terror se tornaram tão fortemente associados a algumas de...

Por Cesar Bravo
FilmesNovidades

Blumhouse fará um novo A Bruxa de Blair com a Lionsgate

Jason Blum vai reviver A Bruxa de Blair — e se você não captou o que significa essa...

Por DarkSide
Crime SceneLançamento

Lançamento: Lady Killers Profile: Jane Toppan, por Harold Schechter

Em 1891, Jane Toppan jurou cuidar e proteger em sua profissão como enfermeira...

Por DarkSide
Crime SceneNovidades

O.J. Simpson morre aos 76 anos

Aos 76 anos de idade, O.J. Simpson faleceu em decorrência de um câncer nessa...

Por DarkSide