Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


DarksideFilmes

Por que Tim Burton quis fazer um filme sobre Ed Wood

Longa sobre o cineasta é um dos mais queridos de Burton

Houve uma época em que o cinema era conhecido como uma fábrica de sonhos. E quem melhor para movimentar essa indústria do que seus cineastas sonhadores? Orson Welles, Steven Spielberg, Guillermo del Toro, Tim Burton e, é claro, Edward Davis Wood Jr. são apenas alguns nomes que compõem a lista daqueles que respiravam ou ainda respiram a sétima arte.

Mas o cinema nada mais é do que a arte de contar boas histórias, e isso não precisa se limitar à tela. Ed Wood, por exemplo, deixou um legado de contos que foram reunidos no livro Ed Wood: Contos & Delírios, publicado pela DarkSide® Books. A irreverência e a paixão do cineasta eram tão intensas, que por muito tempo ele não se abalou com os empecilhos que encontrou.

LEIA TAMBÉM: LANÇAMENTO: ED WOOD: CONTOS & DELÍRIOS, DE ED WOOD

Wood era fã de Orson Welles, que era diretor, roteirista e ator ao mesmo tempo, uma multitarefa que Ed levava para o seu ofício. No entanto, ele nunca chegou perto do prestígio de seu ídolo, sendo considerado o pior diretor de todos os tempos

Sua história provavelmente teria se tornado absolutamente esquecida nos dias de hoje, se não fosse por um fato: em 1994 uma cinebiografia de Ed Wood foi dirigida por um diretor que estava eu seu auge naquela época: Tim Burton.

Como surgiu o filme de Ed Wood

Ao contrário do que muita gente pode pensar, a ideia do filme Ed Wood não partiu de Tim Burton. O conceito da biopic é mérito dos roteiristas Scott Alexander e Larry Karaszewski, que eram fascinados por Wood desde os tempos de faculdade.

Créditos: Touchstone Pictures

Os dois convidaram o amigo de faculdade Michael Lehmann para dirigir. O diretor, por sua vez, levou o projeto aos produtores Denise Di Novi e Tim Burton. Sim, inicialmente Burton seria apenas o produtor, mas ele gostou tanto da ideia que quis priorizar o projeto. O problema é que Lehmann estava muito ocupado dirigindo Os Cabeça-de-Vento.

Tim Burton tinha acabado de lançar Batman: O Retorno, que foi altamente controverso na época, apesar de hoje carregarmos certa memória afetiva com o Pinguim de Danny DeVito e a Mulher-Gato de Michelle Pfeiffer. Assim que o cineasta começou a soltar ideias para uma sequência, o estúdio decidiu que os dois filmes já eram o bastante.

Paralelamente, Burton estava desistindo da ideia de filmar O Segredo de Mary Reilly com a Columbia Pictures porque o estúdio insistia que a protagonista fosse Julia Roberts. Tim Burton queria Winona Ryder. No fim das contas o papel ficou com Roberts e a direção com Stephen Frears.

Aqui começam as semelhanças entre Tim Burton e Ed Wood. Ambos queriam autonomia para orquestrar seus filmes de acordo com a sua visão, livre das interferências daqueles que colocavam dinheiro nessas produções. Para poder abraçar Ed Wood, ele apressou o roteiro de Alexander e Karaszewski, que na época tinha apenas 10 páginas.

Créditos: Touchstone Pictures

Em apenas seis semanas, ele já tinha um rascunho de 147 páginas que ele levou com pouquíssimas alterações para apresentar à Columbia Pictures. Se isso ainda não tinha sido suficiente para que o estúdio tivesse receio de fazer o filme, a ideia de Burton de rodá-lo em preto e branco foi a gota d’água

A Columbia decidiu sair da jogada e Burton foi procurar outra casa para o longa. Foi na Disney, através da Touchstone Pictures, que ele conseguiu dinheiro e liberdade criativa para tirar o filme do papel — foi lá que ele havia feito O Estranho Mundo de Jack. Com um orçamento de 18 milhões de dólares, o estúdio achou que não era um risco muito alto. Tim Burton recusou receber um salário pelo trabalho de direção.

LEIA TAMBÉM: 5 DIRETORES QUE JÁ FORAM CONSIDERADOS RUINS E HOJE SÃO CONSAGRADOS

A conexão Wood-Burton e os ídolos do terror

Tim Burton havia começado a ler Nightmare of Ecstasy [Pesadelo de ecstasy], uma biografia sobre Edward D. Wood Jr., e algumas das cartas escritas pelo cineasta. Ele ficou comovido pelo modo como Wood escreveu sobre os próprios filmes como se ele estivesse fazendo Cidadão Kane, enquanto o resto do mundo o considerava o pior diretor de todos.

O cineasta confessou sempre ter sido um fã de Ed Wood, o que explica bastante o tom do filme feito por ele, focando em um período específico da vida do diretor, quando ele empregava todo o seu entusiasmo em produzir longas excêntricos, autorais e com pouquíssimos recursos. A produção não menciona os últimos anos de Wood, quando ele escrevia pornografia para viver e gastava todo o seu dinheiro com bebidas.

Embora Tim Burton seja um diretor com uma marca bem distinta e autoral, Ed Wood é possivelmente uma de suas produções mais pessoais, sendo considerada sua favorita pelo próprio diretor.

Créditos: Steve Forrest/NYT

Além da admiração de Burton por Wood e pelo fato de eles compartilharem essa vontade de fazer filmes com mais autonomia, há um aspecto bem em comum entre os dois: a amizade de Ed Wood com Bela Lugosi lembra bastante a de Tim Burton com Vincent Price.

Boa parte do filme foca na amizade entre o cineasta entusiasmado com Lugosi, um ídolo do terror que agora caía no ostracismo. A admiração de Ed por Bela era tão grande que ele dava um jeito de incluir o ator em suas produções

A relação tem fortes semelhanças com a de Tim Burton, que se tornou bom amigo de Vincent Price quando o ator já estava em seus últimos anos de vida. O filme Edward Mãos de Tesoura, um clássico da Burton, foi o último do ator, que também narrou o curta Vincent, de quando o diretor ainda nem era muito conhecido.

Pela época do falecimento de Vincent Price, em 1993, Tim Burton estava trabalhando em um documentário sobre a vida do ator e a amizade dos dois. Porém, ele ficou tão abalado pela morte do amigo que cancelou o documentário. 

Um ano depois, Ed Wood foi lançado. Filmado em preto e branco, em uma saturação bem parecida com a maioria dos filmes de terror de Price, é perceptível que o cineasta estava processando algo enquanto fazia o filme. 

Há um espírito de celebração, ainda que melancólica, à vida de Price, Lugosi e, claro, Wood. No fim das contas, Tim Burton fez de Ed Wood uma celebração à vida de sonhadores que ousaram dedicar suas vidas ao cinema.

LEIA TAMBÉM: O QUE FAZ DE ED WOOD O MELHOR PIOR DIRETOR DE TODOS OS TEMPOS

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

3 Comentários

  • Anderson Tissa

    1 de junho de 2022 às 13:27

    Bacana!

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Ed Wood: Contos & Delírios + Brinde Exclusivo
R$ 74,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Cabo do medo
R$ 59,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ListasLivros

Dicas de livros para presentear nesse fim de ano

O período de festas e confraternizações está chegando, e com ele aquela eterna...

Por DarkSide
DarkloveListasLivros

10 Livros com lições valiosas da marca DarkLove

Uma narrativa nunca se limita ao universo de seus personagens. Ela ressoa nas...

Por DarkSide
CuriosidadesGraphic NovelListas

Vampiros made in Brazil: Conheça 7 personagens

Quando se fala em vampiros, geralmente lembramos da Romênia e seu Conde Drácula ou...

Por DarkSide
Graphic NovelListas

10 Histórias em quadrinhos que vão te surpreender

Quadrinhos podem até ter sido uma das primeiras maneiras de prender a leitura das...

Por DarkSide
ListasLivrosMacabra

10 Livros macabros que você precisa conhecer

Até os DarkSiders mais trevosos já devem ter passado por isso: a sua leitura está...

Por DarkSide