Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


DarkloveMagicaeVários

The Odyssey: Por dentro do filme com músicas de Florence + The Machine

Videoclipes do álbum How Big, How Blue, How Beautiful contam jornada da cantora

Florence Welch é uma feiticeira das palavras. Ela mergulha em suas experiências, provações e sofrimentos e os transforma em arte através dos versos de suas canções. O livro Useless Magic: Lyrics and Poetry, que reúne letras dos quatro primeiros álbuns da banda Florence + The Machine, reflete muito bem isso.

LEIA TAMBÉM: FLORENCE WELCH: USELESS MAGIC CHEGARÁ AO BRASIL

No terceiro álbum da banda, How Big, How Blue, How Beautiful (2015) a artista decidiu ir além e explorou suas vivências de maneira audiovisual. Os videoclipes de canções selecionadas do álbum se tornaram capítulos de The Odyssey, um curta-metragem de 47 minutos que conta a jornada de algumas das músicas mais íntimas de Florence.

O filme foi possível graças à parceria de Welch com o diretor Vincent Haycock, com quem ela havia trabalhado no videoclipe de “Sweet Nothing”, música gravada com o DJ Calvin Harris. Com gravações nos Estados Unidos, México, Escócia e Inglaterra, a produção entrega uma história nascida do caos que conduz Florence a uma jornada de redenção através da música.

Em entrevista à revista Dazed, Florence explicou que ambos sempre souberam como seria o final da história, e a partir dali costuraram todo o resto. “Desde o início definimos que começaria com essa ideia de um mundo quieto e caótico, e que terminaria no palco. Sempre foi uma queda em direção à loucura. Você vai cada vez mais longe e cada vez mais fundo, e no final consegue sair.”

Créditos: Tom Beard / Divulgação

O álbum How Big, How Blue, How Beautiful registra o término de um relacionamento, com direito à decepção amorosa e ao purgatório emocional que se segue. Segundo a cantora, as canções e os clipes representam “um ano que foi um verdadeiro acidente de carro”. E é justamente assim, com um acidente de carro, que a nossa história começa:

Capítulo 1: “What Kind of Man”

A princípio tudo parece bem, com Florence conversando com seu parceiro em um passeio de carro aparentemente inofensivo, a não ser que você preste atenção na conversa: ele diz que na noite passada a ouviu falando enquanto dormia e que ela parecia triste, ao que Florence questiona “por que você não me acordou?”. Esse diálogo aparentemente inocente já explica bastante sobre o tipo de relação em que ela estava, já que o parceiro viu que ela estava sofrendo no sonho e não fez nada a respeito.

Logo, um acidente de carro introduz o caos àquela vida supostamente pacata. A tempestade aparece de maneira literal, mas também tem um significado importante para o teor arrasador daquela relação em que ela se encontrava. “Era quase como se o acidente de carro me transportasse para esta outra dimensão, onde eu tive que enfrentar todas essas coisas que estavam ocorrendo”, explica Florence.

A dança é parte fundamental da performance de The Odyssey e em “What Kind of Man” ela é jogada por todos os lados por diversos homens, representando a natureza caótica de suas relações ao mesmo tempo em que ela tenta manter o controle.

Capítulo 2: “How Big, How Blue, How Beautiful”

Após escapar do acidente no final de “What Kind of Man” desorientada e em uma estrada movimentada, ela é forçada a ir ao purgatório emocional. Em um local vazio, Florence dança consigo mesma em um confronto entre sua personalidade mais caótica e seu lado mais calmo. Conforme a própria letra diz, ela decidiu se machucar.

Capítulo 3: “St Jude”

Este clipe mergulha profundamente na mente de Florence, por isso a ambientação está tão diferente, como se viesse dos anos 1950. A tempestade finalmente encontrou a cantora, que está vulnerável ao ponto de ter que ser carregada pelo seu parceiro – ao mesmo tempo em que o acidente criou uma Florence dividida, a que consegue se erguer e a que se torna completamente dependente.

A música “St Jude” soa como uma oração, um pedido que a artista espera que seja atendido. Quase como um cântico, ela preenche a mente de Florence de esperança de dias melhores, de que as coisas simplesmente se resolvam de uma hora para a outra. Ao final do clipe, a cantora levanta os braços e cai de joelhos, abrindo mão do seu poder de controlar tudo e deixando que a natureza dite seu curso.

LEIA TAMBÉM: KING: NOVO SINGLE DE FLORENCE + THE MACHINE ENTREGA FEMINISMO, MAGIA E LIGAÇÕES COM O TARÔ

Capítulo 4: “Ship to Wreck”

De volta à realidade, Florence foi de Los Angeles para sua casa em Londres, exatamente como a cantora fez em seu ano sabático. Em um dos capítulos mais importantes de The Odyssey, ela entra em um novo confronto consigo própria, no qual metade dela quer a calmaria, enquanto a outra quer a destruição.

É com esta canção que Florence expõe seus maus hábitos, permitindo que o espectador se identifique com aquela situação. Mesmo com uma batalha que atravessa os andares e os cômodos da casa, Florence acaba retornando ao mesmo local, o chão de seu quarto, simbolizando a sua repetitiva natureza autodestrutiva, que mais uma vez ela não conseguiu frear.

Capítulo 5: “Queen of Peace”

Voltando à mente de Florence, este segmento se passa na Escócia, de onde veio a família da artista. “Queen of Peace” aponta as similaridades do passado e do presente, com uma Florence que sempre quis estabelecer a paz, mas tudo em seu entorno a impedia disso.

O clipe mostra paralelos entre passado e presente de um romance entre pessoas que cresceram juntas, mas que também acompanharam a crescente rivalidade entre as famílias. Novamente, a coreografia é empregada para mostrar a natureza de um casal que se atrai e se repele constantemente.

Primeiro por causa da família e depois pela própria dinâmica da relação, os dois precisam se despedir. Este é o clímax de The Odyssey, mostrando a primeira decepção amorosa, aquela que deu origem a todas as outras. 

Capítulo 6: “Long and Lost”

Servindo como uma continuação direta de “Queen of Peace”, “Long and Lost” começa a encaminhar o filme para o seu desfecho. Neste segmento fica evidente que os amigos e a família de Florence na verdade estavam tentando protegê-la deste homem que a estava destruindo e ela não percebia. Por fim, eles a embarcam para longe daquela relação tóxica, o que a deixa completamente arrasada.

Capítulo 7: “Mother”

Um clipe tão simples e com tanto a dizer. Em “Mother” Florence se vê de volta a Los Angeles em uma ponte que a aprisiona fisicamente com sua tela de proteção. Ela até pode alcançar a liberdade (o buraco na cerca), mas não consegue chegar lá. 

O clipe marca uma transição que ela ainda não está pronta para completar. Em cortes para uma cena em um hotel onde um homem pergunta a ela quando ela pretende sair, ela diz que pretende ficar, mas ele responde que aquilo ali é apenas um lugar e que ninguém pode morar ali. Ou seja, Florence não pode permanecer no purgatório a vida inteira.

Capítulo 8: “Delilah”

Continuando exatamente de onde “Mother” parou, Florence está largada no sofá da recepção do hotel enquanto ouve um discurso poderoso de um homem: “Você acha que perdeu a sua fé, mas não perdeu. Você só a tirou do lugar”. Ele continua a lição para concluir que pessoas não são perfeitas: “Você precisa entender que pessoas são criaturas falhas. Elas cometem erros, elas precisam ser desculpadas desses erros e autorizadas a continuar sua jornada por uma vida melhor e pelo bem”. Se The Odyssey pudesse ser resumida a uma fala, seria a essa daqui.

Mas é claro que a prática é muito mais difícil, e o que se vê a seguir é uma Florence em novo conflito, querendo melhorar, mas encontrando diversos obstáculos no caminho – e pessoas dispostas a ajudá-la. No fim das contas, elas a ajudam a escapar e no final do clipe a artista alcança a liberdade surfando no teto de um carro. Esta é uma simbologia muito forte, já que tudo começou com um acidente de carro: Florence não apenas aprendeu sua lição com a batida, ela está literalmente acima disso (do carro, no caso).

Capítulo 9: “Third Eye”

No capítulo final, Florence finalmente conseguiu incinerar a tempestade na qual ela se encontrava presa. Ela completa o círculo quebrando o padrão de “What Kind of Man” e “St Jude” na qual era jogada ou carregada por homens. Agora ela se encontra de pé, é ela quem os lidera. Através da dança, a cantora supera seus tormentos, o que também é uma referência ao que aconteceu de verdade – a cantora disse que durante seu ano na Inglaterra a dança foi seu refúgio.

Conforme a música diminui, o guitarrista da banda, Rob Ackroyd aparece, mostrando que Florence encerrou o ciclo: sua banda a apoia de volta ao palco, onde ela finalmente aparece. Este é o nível mais elevado de liberdade que ela alcança, cantando as músicas que descrevem o caótico ano e o purgatório emocional pelos quais ela passou. Ela está de volta ao seu lugar e a si própria, lembrando a todos que continua a mesma mas está tentando mudar, em um ato de autocompaixão.

Não é à toa que The Odyssey recebeu este nome, evocando a famosa Odisseia de Homero, história que narra o tumultuado retorno de Ulisses ao lar. As letras traduzidas do álbum estão em Useless Magic, além de anotações e rabiscos escritos por Florence, para que os leitores possam mergulhar na experiência com a cantora.

LEIA TAMBÉM: 7 MANDAMENTOS DO ESTILO MÁGICO DE FLORENCE WELCH

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

3 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Bruxa Natural + Brinde Exclusivo
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
O Ano das Bruxas + Brinde Exclusivo
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneGraphic NovelLivros

3 Livros sobre Jeffrey Dahmer publicados pela DarkSide®

A série da Netflix sobre os crimes cometidos por Jeffrey Dahmer dão alguns insights...

Por DarkSide
DarkloveFilmes

Os paralelos entre A Mulher Rei e Ela Seria o Rei

O filme A Mulher Rei estreou em meados de setembro e apresenta Viola Davis como...

Por Dayhara Martins
ArtigoMagicae

A bruxaria é um ato político

“Eu sou bruxa.” Essas três palavrinhas sempre irão causar algum tipo de reação,...

Por DarkSide
FilmesHalloweenNovidades

Halloween está de volta aos cinemas

Uma das grandes certezas do universo do terror é a de que Michael Myers sempre...

Por DarkSide
CuriosidadesMacabra

A macabra medicina dos médicos que fazem cirurgias em si próprios

Quem já precisou passar por uma cirurgia deve se lembrar bem de todos os cuidados...

Por DarkSide