Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Crime SceneCuriosidades

Casos de Família: 7 Curiosidades sobre o caso Richthofen

Assassinato que chocou o país foi meticulosamente estudado por Ilana Casoy.

Há quase 20 anos um crime ainda choca o Brasil. Uma jovem de classe alta participa do homicídio dos próprios pais, com seu namorado e o irmão dele. O caso Richthofen foi amplamente divulgado pela imprensa, estudado por especialistas, citado em documentários e livros como Casos de Família, de Ilana Casoy, e agora irá para o cinema em duas versões: A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou meus Pais, contando a história sob os pontos de vista de Suzane e de seu namorado Daniel.

LEIA TAMBÉM: ILANA CASOY ASSINA ROTEIRO DE FILME SOBRE SUZANE VON RICHTHOFEN

Em Casos de Família: Arquivos Richthofen, Ilana Casoy permite que o leitor tenha acesso aos seus cadernos pessoais de anotações quando acompanhou o caso, promovendo uma verdadeira imersão na história do crime que chocou o país. Ela analisa o comportamento dos três assassinos, as contradições e os erros decisivos que levaram à resolução do caso. “Algumas coisas foram escritas no calor dos acontecimentos, com a emoção exacerbada e sem censura. Outras escrevi no silêncio profundo da minha concentração, debruçada nos autos do processo, tentando montar o terrível quebra-cabeças que estava à minha frente”, declara a autora.

Relembre o caso Richthofen

O crime ocorreu em 31 de outubro de 2002, quando Suzane abriu as portas de casa para seu namorado e o irmão dele, Cristian. O objetivo era assassinar os pais da moça, Manfred e Marísia, que estavam dormindo na ocasião. Apesar de ter inicialmente negado o envolvimento, uma acareação entre os três envolvidos no crime resultou na confissão do homicídio.

Em 2006, os três criminosos foram condenados pelo homicídio: Suzane e Daniel receberam pena de 39 anos e Cristian de 38 anos. A história se mantém forte no imaginário popular por suas peculiaridades, algumas mais conhecidas e outras nem tanto. Acompanhe algumas delas a seguir:

1. A arma do crime foi um perfilado de aeromodelismo

Daniel Cravinhos dedicava-se ao aeromodelismo desde os 13 anos de idade. Ele construía e pintava os aparelhos, de onde tirava sua renda. Foi graças à prática que ele teve contato com a família von Richthofen, pois deu aulas para Andreas, irmão mais novo de Suzane.

Manfred e Marísia foram assassinados com golpes de bastões construídos por Daniel. Os objetos foram feitos com perfilados de ferro com furos, semelhantes ao de estantes metálicas reguláveis. Cravinhos ainda preencheu o meio das barras com madeira, para que elas ficassem mais pesadas.

2. Suzane não articulou o homicídio sozinha

Apesar de ser considerada por muitos a “mastermind” do assassinato, Suzane elaborou o crime em parceria com seu namorado, Daniel. O relacionamento dos dois havia sido proibido pelos pais dela, causando atritos cada vez mais violentos.

Nos meses que precederam o homicídio, Manfred e Daniel tinham trocado ameaças. Os pais dela também tinham passado um período de 30 dias no exterior, quando Suzane e o namorado moraram na casa. Semanas antes do crime, os dois chegaram a testar o som de disparos de revólver, o que os levou a descartar o homicídio por arma de fogo por causa do barulho. 

LEIA TAMBÉM: AS MENTES PSICOPATAS MAIS PERTURBADORAS ESTUDADAS POR ILANA CASOY

3. Os assassinos usaram objetos da própria casa para esconder evidências

Um dos fatos que chamou a atenção da perícia foi a utilização de toalhas e sacos de lixo provenientes da própria residência. Isso era um indício de que o criminoso estava familiarizado com a rotina da casa, por saber onde cada objeto estava guardado.

Além disso, a mansão não apresentava sinais de arrombamento, outro motivo para levantar suspeitas. O único cômodo revirado tinha sido a biblioteca, de onde foram retiradas quantias em dólares e em euros de uma pasta de Manfred. Joias e um revólver das vítimas foram deixados na cena do crime, afastando a investigação da tese de latrocínio.

4. Um jogo de futebol ajudou a estabelecer a linha do tempo

Ao analisar os corpos, o médico legista designado para o caso estimou que o homicídio havia ocorrido entre as 22h e as 24h daquele dia. A hora foi estabelecida com mais precisão graças ao vigia da rua, cuja guarita ficava próxima à mansão dos von Richthofen.

Corinthiano, Francisco Genivaldo Modesto Diniz acompanhava a vitória de seu time sobre o Flamengo naquela noite. Mas não foi apenas o gol do Corinthians no Maracanã que chamou a sua atenção: próximo ao horário da pontuação, um outro Gol passava por ali, o automóvel de Suzane, filha dos von Richthofen, dirigido por ela e estacionado na garagem de casa. Foi graças à informação do vigia que o horário da morte pôde ser definido com mais precisão.

5. O assassinato foi próximo ao aniversário de Suzane

Apenas três dias após o crime, Suzane completaria o seu aniversário de 19 anos, no dia 3 de novembro. A comemoração foi até utilizada como argumento para o irmão dela, quando Suzane disse que iria ao motel com Daniel na noite do dia 31 para festejar a data.

Segundo o psiquiatra forense Guido Palomba, em seu depoimento no documentário Investigação Criminal, parricídios (assassinato de pais) costumam acontecer próximos a datas comemorativas. Para o especialista, estas datas são carregadas de emoções, que podem contribuir com atitudes mais impulsivas.

6. A aquisição de uma moto foi o que entregou os assassinos

Apesar de terem tentado simular um latrocínio, o único item levado da mansão naquele 31 de outubro foram as quantias em moeda estrangeira retiradas da pasta de Manfred. Esta informação havia sido divulgada pela imprensa assim que o crime atingiu as manchetes naquela semana.

Poucos dias depois do ocorrido, Cristian tentou comprar uma moto com dólares, em nome de um terceiro. O fato chamou a atenção do vendedor, que acompanhava a cobertura do duplo homicídio, e o fez ligar para a polícia. A investigação, que já cogitava a possibilidade do envolvimento de Suzane e Daniel no crime, agora incluiu o irmão mais velho dos Cravinhos. Chamado para depor, ele confessou o crime

7. O excesso de álibis foi o que levantou suspeitas dos investigadores

Ao deixar uma arma próxima a Manfred, os assassinos tentaram despistar para a possibilidade de suicídio. Ao levar dinheiro, apontaram para a possibilidade de latrocínio. Além disso, Suzane e Daniel alegaram que no momento do crime estavam em um motel – e inclusive pediram uma nota fiscal do estabelecimento, algo muito improvável.

De acordo com os investigadores envolvidos no caso, o crime parecia ter sido cometido por alguém que assistia programas policiais, no estilo CSI: Crime Scene Investigation, já que nenhuma digital ou roupa manchada de sangue foi encontrada no local. No entanto, foi justamente este excesso de cuidado, somado a algumas inconsistências na história, que voltaram a atenção da investigação para o casal. “O que nos colocou no local foi justamente o excesso de cuidado deles para não estarem no local”, declarou a delegada Dra. Cíntia Tucunduva.

LEIA TAMBÉM: ILANA CASOY: O NOME DA LITERATURA DE CRIMINOLOGIA NO BRASIL

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

1 Comentário

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesListasNovidades

8 Produções para ficar de olho em outubro na Netflix and Chills 2022

Outubro está entre nós e com ele todas as expectativas para o mês mais trevoso do...

Por DarkSide
Crime SceneGraphic NovelLivros

3 Livros sobre Jeffrey Dahmer publicados pela DarkSide®

A série da Netflix sobre os crimes cometidos por Jeffrey Dahmer dão alguns insights...

Por DarkSide
DarkloveFilmes

Os paralelos entre A Mulher Rei e Ela Seria o Rei

O filme A Mulher Rei estreou em meados de setembro e apresenta Viola Davis como...

Por Dayhara Martins
ArtigoMagicae

A bruxaria é um ato político

“Eu sou bruxa.” Essas três palavrinhas sempre irão causar algum tipo de reação,...

Por DarkSide
FilmesHalloweenNovidades

Halloween está de volta aos cinemas

Uma das grandes certezas do universo do terror é a de que Michael Myers sempre...

Por DarkSide