Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Fábulas DarkFilmesResenha

Caveira Viu: Pinóquio de Guillermo del Toro

Cineasta deixa sua assinatura fantástica no clássico de Carlo Collodi

14/12/2022

O personagem Pinóquio pode ter um significado diferente para cada pessoa. Para alguns, ele é uma lição de que não devemos contar mentiras. Para outros, traz lições sobre o que significa ser um menino de verdade. E em outras interpretações, ele se assemelha ao Monstro de Frankenstein, uma criatura que de repente precisa buscar seu lugar no mundo.

LEIA TAMBÉM: PINÓQUIO: O FRANKENSTEIN DE MADEIRA

Desde 1940 a história se popularizou em todo o mundo graças à versão da Disney sobre a obra de Carlo Collodi. Com digressões que chegam a ser gritantes da obra original, a animação entregou uma visão mais açucarada e virtuosa do personagem e de toda a trama, mais amigável ao público infantil — o que não significa que não tenha provocado certo trauma nos pequenos com as sinistras transformações de meninos em jumentos.

Porém, quem conhece a história original, recentemente publicada pela DarkSide® em Pinóquio: Wood Edition, sabe que Pinóquio não é um personagem tão inocente assim  que o enredo conta com algumas passagens bem sinistras. Tendo isso em mente, é de se imaginar que Guillermo del Toro daria aquela atmosfera Dark que tanto esperávamos para o nosso pequeno Frankenstein de madeira.

Pinóquio

A visão fantástica do Pinóquio de Guillermo del Toro

Produzido em stop-motion, o novo filme lançado pela Netflix já se distancia bastante da estética arredondada e colorida da Disney. Aqui Pinóquio realmente se parece com um boneco de madeira — assim como boa parte dos outros personagens que teoricamente seriam de carne e osso.

Embora o enredo central seja o mesmo, o cineasta tomou suas liberdades criativas, ora aproximando-o do trabalho de Collodi, ora imprimindo a marca fantástica tão característica de del Toro. De modo geral, o público ganha com praticamente todas essas escolhas.

A primeira delas acrescenta camadas ao personagem Gepeto (David Bradley), carpinteiro que criou Pinóquio (Gregory Mann). Na animação da Disney de 1940 não entendemos muito bem aquela vontade de que o boneco ganhasse vida, no remake de Robert Zemeckis, sabemos da existência de algum menino que Gepeto havia perdido, mas a coisa para por aí.

LEIA TAMBÉM: CAVEIRA VIU: NOVO PINÓQUIO DA DISNEY

Gel Toro deu esse background que tanto queríamos, dedicando bons minutos à história de Gepeto e Carlo, seu filho, que ele tragicamente perde como uma consequência da guerra. Isso acrescenta camadas para um Gepeto imperfeito, que perde seu rumo, rende-se à bebida e constrói Pinóquio de maneira bem trôpega.

síndrome de pinóquio
Netflix/Divulgação

Ao dar vida ao boneco, Guillermo del Toro também se esquivou da figura da Fada Azul, dividindo-a em dois personagens místicos (ambos dublados por Tilda Swinton), de naturezas distintas: uma mais benevolente, e outra mais rígida e atenta a regras.

O encontro inicial do Pinóquio animado com Gepeto está longe da empolgação que conhecemos na Disney, o que, convenhamos, é bem mais sensato, não é? O que você faria se acordasse um dia de ressaca e descobrisse que um boneco de madeira feito por você agora está falando e andando por aí?

Com essa história de fundo da relação de Gepeto com seu filho, o relacionamento dele com Pinóquio recebe alguns contornos bem realistas. Enquanto o boneco tenta impressioná-lo, o carpinteiro se frustra de que Pinóquio nunca será como seu filho. Uma mensagem poderosa sobre corresponder às expectativas um do outro e de aceitar o outro, mesmo com todas as falhas dele (e as nossas também).

Até mesmo o Grilo, sagazmente dublado por Ewan McGregor, ganha contornos mais dúbios, aceitando se tornar a consciência de Pinóquio em troca de uma recompensa. Embora ele se mantenha como o narrador da história, sua participação parece ter diminuído um pouco, mas nem por isso o personagem se tornou menos importante.

Pinóquio Guillermo del Toro
Netflix/Divulgação

Pinóquio vai à guerra

Uma característica que difere bastante a versão de Guillermo del Toro para Pinóquio é a ambientação na Segunda Guerra Mundial, especialmente sobre a ascensão do fascismo. Embora cause uma estranheza inicial na comunidade em que Gepeto vive, Pinóquio logo é visto pela autoridade local fascista Podesta (Ron Perlman) como uma possível arma de guerra, dada a imortalidade do boneco. Sim, Pinóquio vai à guerra!

Uma sequência dedicada ao treinamento do boneco ao lado de outros garotos para que se preparem para o combate funciona como um espécie de substituta à Ilha dos Prazeres, aquele parque de diversões onde os meninos viravam asnos. O deslumbre visual do mais recente filme da Disney é substituído pela brutal realidade dos terrores da guerra, até mesmo em relação às crianças. Os meninos podem não se transformar literalmente em animais, mas o recado de del Toro está dado.

A assinatura de del Toro

Essa não é a primeira e nem será a última vez que veremos a história de Pinóquio ser contada. O que podemos destacar dessa versão é a assinatura do cineasta, conhecido por ter uma marca bem característica, misturando o sinistro com o belo, a brutal realidade com a fantasia. Ele já fez isso em A Forma da Água, O Labirinto do Fauno e com tantas outras produções. Não seria diferente com o menino de madeira de Carlo Collodi.

Com uma liberdade criativa que os grandes estúdios provavelmente podariam, Guillermo del Toro criou o seu próprio Pinóquio com a ajuda do roteirista Patrick McHale e do diretor Mark Gustafson, com quem divide os créditos da produção. Pode não ter aquela cara mais independente como o Pinóquio de Roberto Benigni, lançado em 2019, mas esse provavelmente nem era o objetivo. O cineasta queria o seu Pinóquio e é isso o que ele entrega.

Guillermo del Toro
Netflix/Divulgação

Com uma identidade que conversa com diversas de suas obras, del Toro chega até a ser um tanto autoindulgente e repetitivo em alguns momentos — a piada dos coelhos jogando cartas funcionou muito bem na primeira vez, mas a gente não precisava revisitá-la em outros dois ou três momentos. Mas ei, a mensagem era justamente aceitarmos o outro mesmo com suas falhas, não é mesmo?

Esse Pinóquio não se propõe a ser o mais sinistro, fantástico ou o mais fiel à obra de Collodi (embora consiga ser bem sinistro, sim). Do início ao fim, del Toro faz jus a ter acrescentado o seu nome ao título do filme: essa é a visão dele sobre o clássico. Quem é fã do cineasta certamente irá aproveitar cada minuto. Quem não é fã, também irá gostar de conhecer esse lado mais espinhoso e até mesmo humano da história. Uma bela animação com uma mensagem poderosa que já garantiu lugar nos nossos corações errantes.

LEIA TAMBÉM: MITOMANIA: CONHEÇA A SÍNDROME DE PINÓQUIO

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Frankenstein
R$ 59,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Princesas Dark + Brinde Exclusivo
R$ 59,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Graphic NovelListas

8 Histórias em quadrinhos nacionais que você precisa conhecer

Quadrinhos são uma fonte rica de informação, entretenimento e de estímulos para a...

Por DarkSide
FilmesResenha

Caveira Viu: O Menu

A alta gastronomia possivelmente nunca esteve tão em alta como nos dias de hoje....

Por DarkSide
CuriosidadesGraphic Novel

Por que ler quadrinhos faz bem ao cérebro?

Houve um tempo em que histórias em quadrinhos eram desprezadas no meio literário....

Por DarkSide
ListasMedo Clássico

A influência de Orlando: Uma Biografia no mundo das artes

Não é novidade para ninguém que Virginia Woolf era uma escritora tão à frente de...

Por DarkSide
FilmesGraphic NovelSéries

Conheça os filmes e séries que inspiraram Hailstone

Horror, ficção científica, ficção histórica, faroeste e mistério se misturam...

Por DarkSide