Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Crime ScenePerfil

Ilana Casoy: Uma cronologia da dama do true crime brasileiro

Conheça os livros, séries e filmes da madrinha do selo Crime Scene

19/02/2024

O universo do true crime brasileiro não seria o mesmo sem um nome: Ilana Casoy. Autora, criminóloga e madrinha do selo Crime Scene® da Caveira, Ilana já entrevistou assassinos cruéis, estudou e analisou crimes de ampla repercussão na mídia, e colabora constantemente com a ficção policial, através de romances, contos e roteiros para séries de TV.

LEIA TAMBÉM: 8 CURIOSIDADES SOBRE ILANA CASOY

Com uma trajetória prolífica, repleta de livros, colaborações e roteiros para séries e filmes, Ilana traz todo o seu conhecimento em criminologia e um olhar único sobre os crimes que chocaram o país. A Caveira tem orgulho de contar com algumas obras da autora na casa, e para celebrar o legado de um dos principais nomes do true crime brasileiro, resgatamos uma cronologia das principais obras contribuições de Ilana Casoy ao longo da carreira:

2002

Serial Killer: Louco ou Cruel?

Para escrever seu primeiro livro, a escritora mergulhou em arquivos da polícia e da Justiça, do FBI e da Scotland Yard, além de ter feito extensas pesquisas em livros e artigos de jornais e revistas para compor um inquietante roteiro de como, por que razão e com que métodos os serial killers agem

ilana casoy

2004

Serial Killers: Made in Brazil

Ilana Casoy dedicou-se a uma pesquisa rigorosa para investigar os serial killers brasileiros, no que viria a ser o primeiro livro do gênero dedicado aos assassinos em série do Brasil. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, instituições psiquiátricas e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com personificações do mal em terras brasileiras, para compor um inquietante roteiro com rigor investigativo de como, por que e com que métodos os serial killers brasileiros atuam.

LEIA TAMBÉM: 5 SERIAL KILLERS BRASILEIROS SANGUINÁRIOS

2006

O Quinto Mandamento

Primeira publicação da autora sobre o caso Richthofen, O Quinto Mandamento traz os bastidores do crime, desde sua execução até a confissão final. A obra traz o resultado das pesquisas de Casoy sobre o comportamento dos assassinos, os depoimentos da família e um trabalho policial quase sem precedentes.

2010

A Prova é a Testemunha

Outro caso de repercussão nacional foi estudado por Ilana Casoy: o de Isabella Nardoni. Em A Prova é a Testemunha a autora traz um relato minucioso sobre o julgamento, que foi acompanhado por ela. 

2014

Lançamento de Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? e Made in Brazil pela DarkSide®

Nesse ano, Ilana Casoy foi a primeira autora nacional a ser publicada pela DarkSide® com a edição especial Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? e Made in Brazil, que reúne as duas primeiras publicações da autora.

crime scene ilana casoy

Colaborou na série Dupla Identidade

Em 2014, Ilana Casoy contribuiu com Gloria Perez no roteiro da série Dupla Identidade. Ela atuou como consultora e roteirista, ajudando a criar o perfil do serial killer Edu (Bruno Gagliasso), inspirado em Ted Bundy. Ilana também contribuiu na construção da personagem Vera (Luana Piovani), especialista em caçar assassinos em série.

2016

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni

Os casos Richthofen e Nardoni foram reunidos em um livro só, trazendo novos detalhes observados por quem estava nos bastidores. Em Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni, Ilana Casoy abre pela primeira vez seus cadernos de anotações durante suas pesquisas. A pedido da DarkSide®, a autora mergulhou em suas anotações particulares para mais uma reedição de suas obras, incluindo fac-símiles inéditos de seus cadernos secretos.

casos de família

Bom Dia, Verônica (como Andrea Killmore)

No mesmo ano, Ilana Casoy migrou do true crime para o romance policial com o thriller Bom Dia, Verônica, escrito em conjunto com o autor Raphael Montes. A primeira edição do livro foi publicada sob o pseudônimo Andrea Killmore, protegendo as identidades dos autores e aumentando o mistério em torno de uma escritora que ninguém conhecia, mas que eletrizou leitores com o suspense policial.

2018

Um Ótimo Dia Para Morrer

Ilana Casoy é uma das autoras do livro Um Ótimo Dia para Morrer: 14 Histórias de Terror e Suspense. Ela participou do projeto como uma das convidadas especiais, ao lado de Raphael Montes e Santiago Nazarian. O livro é o resultado de um fim de semana do terror, em que os autores se reuniram em um sítio isolado para criar e compartilhar suas histórias. O conto de Ilana é “O Caso do Homem que não Era”, que narra a investigação de um crime bizarro envolvendo um cadáver sem identidade.

2019

Revelação da identidade de Andrea Killmore como Ilana Casoy e Raphael Montes

Três anos após o lançamento, Bom Dia, Verônica ganhou uma nova edição, dessa vez revelando a identidade de seus autores: Ilana Casoy e Raphael Montes. Os dois aproveitaram para conversar com leitores sobre seu processo de escrita durante a Bienal do Livro Rio 2019.

ilana casoy raphael montes

Série Em Nome da Justiça

Casoy começou a atuar como consultora e apresentadora da série Em Nome da Justiça, exibida no canal AXN, na qual analisa casos reais de pessoas acusadas de cometer crimes. A criminóloga explora as dúvidas e contradições sobre a culpa ou inocência dos réus, além de buscar evidências adicionais que possam questionar o resultado do julgamento. A segunda temporada estreou em 2022.

2020

Conto “O Amanhã de Ontem” na Antologia Dark

A homenagem ao mestre do suspense Stephen King reúne contos de autores brasileiros que têm um forte compromisso com o horror. Ilana Casoy está na Antologia Dark com o conto “O Amanhã de Ontem”, inspirado no livro Jogo Perigoso e com influências da trilogia Mr. Mercedes, de King.

antologia dark

Estreia da série Bom Dia, Verônica

Em 2020 o livro Bom Dia, Verônica foi adaptado para uma série da Netflix estrelada por Tainá Müller. Ao longo de três temporadas, a produção teve em seu elenco nomes como os de Camila Morgado, Eduardo Moscovis, Reynaldo Gianecchini, Klara Castanho, Rodrigo Santoro e Maitê Proença. Além de ser co-autora do romance adaptado, Ilana Casoy também assina com Raphael Montes o roteiro da série.

2021

Roteiro dos filmes A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou meus Pais

O caso Richthofen virou não apenas um, mas dois longas-metragens em 2021 com participação de Ilana Casoy. Os filmes A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou meus Pais são inspirados no livro publicado pela autora e oferecem dois pontos de vista distintos sobre as motivações do assassinato do casal Richthofen: um colocando a filha Suzane como mentora, e outro sob o ponto de vista da defesa dela, que culpava o namorado Daniel Cravinhos. O roteiro das produções também é assinado por Ilana e Raphael Montes.

A menina que matou os pais: A Confissão
Imagem: Divulgação

2022

Foi consultora da série As Seguidoras

Consultora e roteirista da série As Seguidoras, lançada pela Paramount+, Ilana ajudou a criar o perfil da protagonista Liv, uma influenciadora que se torna uma serial killer, inspirada em casos reais de assassinos em série. A criminóloga também colaborou com a construção do perfil de Antônia, uma podcaster que investiga os crimes de Liv.

Relançamento de Louco ou Cruel? e Made in Brazil pela DarkSide®

Em 2022 revisitamos os dois primeiros lançamentos de Ilana Casoy pela Caveira, com novas edições dos livros Louco ou Cruel? e Made in Brazil. Agora, as duas publicações ganharam edições separadas, mas sempre com a qualidade psicopata para completar os arquivos Crime Scene dos DarkSiders.

made in brazil e louco ou cruel

2023

Roteiro do filme A Menina que Matou os Pais: A Confissão

Os filmes sobre o caso Richthofen ganharam uma continuação em 2023, também com participação de Ilana Casoy e Raphael Montes no roteiro. Nesse longa, acompanhamos a investigação policial que culminou com a confissão dos autores do crime.

LEIA TAMBÉM: A UTILIZAÇÃO DO TESTE DE RORSCHACH NO CASO RICHTHOFEN

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneCuriosidades

Jane Toppan: Conheça o caso dessa lady killer

Conhecida como “a primeira serial killer dos Estados Unidos”, Jane Toppan se valia...

Por DarkSide
FilmesFirestar Videolocadora

Deadly Blessing: Wes Craven, pesadelos e Sharon Stone

Alguns mestres supremos do terror se tornaram tão fortemente associados a algumas de...

Por Cesar Bravo
FilmesNovidades

Blumhouse fará um novo A Bruxa de Blair com a Lionsgate

Jason Blum vai reviver A Bruxa de Blair — e se você não captou o que significa essa...

Por DarkSide
Crime SceneLançamento

Lançamento: Lady Killers Profile: Jane Toppan, por Harold Schechter

Em 1891, Jane Toppan jurou cuidar e proteger em sua profissão como enfermeira...

Por DarkSide
Crime SceneNovidades

O.J. Simpson morre aos 76 anos

Aos 76 anos de idade, O.J. Simpson faleceu em decorrência de um câncer nessa...

Por DarkSide