Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


Crime SceneLançamento

Lady Killers Profile: Saiba quem foi Belle Gunness

Serial killer pode ter deixado um rastro de mais de 40 vítimas

A vida de Belle Gunness consegue ser tão misteriosa quanto sua morte. A norueguesa radicada nos Estados Unidos é tema do livro Lady Killers Profile: Belle Gunness, de Harold Schechter, que pretende responder a algumas das muitas perguntas sobre uma das assassinas em série mais letais da história.

LEIA TAMBÉM: LADY KILLERS: TORI TELFER FALA SOBRE ASSASSINAS EM SÉRIE

Açougueira de homens e Lady Barba Azul são apenas alguns dos apelidos que esta lady killer recebeu após sua morte – ou pelo menos seu desaparecimento. Sua vida na Noruega é pouco conhecida, mas seus crimes nos Estados Unidos são estudados até hoje.

Imagem de domínio público / Wikimedia Commons

Batizada Brynhild Paulsdatter Størset, Belle nasceu em 1859 em Selbu, na Noruega. Era caçula de oito filhos de uma família luterana. Desde os 14 anos de idade ela começou a trabalhar em fazendas porque queria juntar dinheiro para ir a Nova York. 

Acredita-se que sua mudança tenha ocorrido após ser atacada por um homem e ter perdido seu bebê, o que teria influenciado uma profunda mudança de comportamento. Em 1881 ela chegou aos Estados Unidos e adotou um nome mais simpático ao novo país: Belle. 

A jovem se mudou para Chicago para viver com sua irmã Nellie, que já havia imigrado há alguns anos, e seu cunhado. Lá, ela trabalhou como doméstica e em um açougue, até se casar em 1884.

Incêndios, mortes e apólices de seguro

Belle e seu marido Mads Sorenson tinham uma loja de doces em Chicago até o estabelecimento ter sido destruído por um incêndio. A casa dos dois sucumbiu da mesma maneira e nos dois casos o casal conseguiu resgatar os pagamentos do seguro.

Dois bebês também morreram na residência do casal Sorenson por causa de graves inflamações no intestino. Os dois tinham seguro de vida e o casal conseguiu o pagamento. O fato chamou a atenção na época, já que os vizinhos nunca tinham visto Belle grávida.

Mas as mortes misteriosas estavam apenas começando: no dia 30 de julho de 1890, Mads morreu em decorrência de uma hemorragia cerebral. Belle explicou que ele tinha aparecido em casa com uma forte dor de cabeça e que o tratou com pó de quinina para aliviar o sintoma. Quando ela foi ver como ele estava, constatou que o marido estava morto. 

O primeiro médico a examinar o corpo de Mads declarou que a morte tinha ocorrido por envenenamento. Porém, como não existiam suspeitos, a hipótese foi descartada. A família dele chegou a acusar Belle de assassinato, mas a denúncia não foi adiante.

O curioso é que justamente neste dia Sorenson estava coberto por não uma, mas duas apólices de seguro de vida, já que uma estava expirando e a outra começando. Com os cinco mil dólares do seguro, Belle se mudou para Indiana com as três filhas do casal e comprou uma fazenda de porcos.

LEIA TAMBÉM: O CURIOSO CASO DAS CRIADORAS DE ANJOS DE NAGYRÉV

Nova vida, novas mortes

Estabelecida em La Porte, em 1902 ela se casou novamente, desta vez com Peter Gunness. Apenas uma semana após o casamento, a filha dele foi encontrada morta em casa após ficar sob os cuidados da madrasta.

Apenas oito meses mais tarde foi a vez de Peter falecer por causa de um traumatismo craniano. Segundo a explicação da viúva, ele foi alcançar algo no topo de uma estante e o moedor de carne caiu sobre ele. Ela ganhou três mil dólares do seguro de vida do marido.

A filha adolescente de Peter, Jennie, acusou Belle de assassinato e uma investigação chegou a ser aberta sobre o caso. Porém, com Gunness grávida, ela facilmente convenceu o júri de sua inocência e fez com que Jennie mudasse seu depoimento. A garota foi enviada para um colégio interno e nunca mais se soube dela.

Duplamente viúva, Belle Gunness começou um relacionamento com Ray Lamphere. Mesmo assim, passou a publicar anúncios de casamento nos jornais de Chicago. Ela chamava homens ricos que queriam juntar suas fortunas com a dela e conseguiu alguns pretendentes desta forma – eles viajavam para La Porte levando dinheiro e nunca mais voltavam.

Ray era cúmplice de Belle nestes esquemas, até que começou a ficar com ciúmes. Isso irritou sua amante, que o demitiu em 1908 e alertou as autoridades locais de que ele sofria de insanidade e era uma ameaça às pessoas. Além disso, chegou a prestar queixa contra Lamphere, alegando que ele havia ameaçado sua família e tentado invadir sua residência. Ele não deixou por pouco e começou a espalhar boatos sobre a ex-companheira.

Poucos meses depois, a casa de Belle Gunness pegou fogo. Os filhos dela foram encontrados mortos juntos a um cadáver sem cabeça, que acreditava-se ser dela. Após o histórico de ameaças reportadas contra Ray Lamphere, ele foi considerado o principal suspeito do incêndio criminoso e do múltiplo homicídio.

O ex-cúmplice de Belle negou todas as acusações e confessou às autoridades sobre os anúncios nos jornais e crimes da assassina. Além disso, ele disse que Gunness havia pedido para que ele queimasse sua casa, depois que o parente de uma de suas vítimas havia ameaçado ir à propriedade em busca do homem desaparecido.

Ray alegou não apenas que Belle Gunness havia queimado a própria casa e assassinado os próprios filhos, mas também que o cadáver decapitado não era dela.

Imagem de domínio público / Wikimedia Commons

O esqueleto misterioso e dezenas de corpos pelo caminho

Desde que foi encontrado, o suposto cadáver de Belle Gunness foi motivo de contestação. Vizinhos negaram que pertencia a ela, amigos que examinaram o corpo concordaram que não poderia ser de Belle, além da própria declaração de Ray de que o incêndio era na verdade o plano de fuga da assassina.

A autópsia comparou o esqueleto com as roupas da serial killer e registros em lojas de departamento, e concluiu que não poderia ser Gunness. No julgamento de Lamphere foi provado que a arcada dentária não era dela. Mais tarde, ele próprio afirmou que o esqueleto pertencia a uma camareira, decapitada dias antes do incêndio. Ainda assim, Belle havia sido declarada morta.

O que restou da fazenda Gunness se tornou alvo de investigação, reforçada por Asle Helgelien, cujo irmão havia desaparecido após ter respondido a um dos anúncios da assassina. Escavações no terreno encontraram cerca de 40 restos mortais, incluindo os de Jennie (filha de Peter Gunness) e de Andrew Helgelien, irmão de Asle.

Após o misterioso incêndio, diversas pessoas afirmaram ter visto Belle Gunness nos arredores de Chicago e também em São Francisco, Nova York e Los Angeles. Em nenhuma das vezes foi possível confirmar que se tratava da assassina. Até hoje não se sabe se a lady killer poderia ter morrido em sua fuga ou se fez novas vítimas pelo seu caminho

LEIA TAMBÉM: 5 FILMES PARA QUEM ADOROU LADY KILLERS

Sobre DarkSide

Eles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

1 Comentário

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Coven MagicaeMagicae

A descoberta da Bruxa que existe dentro de você!

Você sabia que a descoberta da Bruxa(o) que existe em você não depende de ninguém,...

Por Dani Petrucci
MacabraMagicae

Afinal, o que é considerado ocultismo?

O ser humano sempre teve uma necessidade insaciável de buscar respostas para aquilo...

Por Macabra
Cine Book ClubFilmes

Horror Noire: Shudder divulga trailer de novo filme

A Shudder, plataforma focada em streaming de conteúdos de terror/horror, lançou o...

Por DarkSide
FilmesHalloweenMacabra

Scream Queens em Família: Jamie Lee Curtis e Janet Leigh

Dizer que Halloween e Psicose são filmes família é uma afirmação estranha. Mas de...

Por Macabra
DarkloveEntrevista

Kerri Maniscalco: “Escrevi um livro que eu e minha avó iríamos adorar”

Fatos históricos e ficção se encontram na série Rastro de Sangue, da escritora...

Por DarkSide