Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


CuriosidadesMacabraMedo Clássico

Necronomicon: O livro, o conto, o terror

Conheça esse título maldito do horror cósmico e sua história

01/04/2024

Dono de uma mente criativa e ousada, H.P. Lovecraft deixou um grande legado na literatura. De Cthulhu a Arkham, passando pelos Grandes Antigos, o autor de Rhode Island abriu as portas para o horror cósmico com suas maldições e mitos.

LEIA TAMBÉM: DA OBSESSÃO À INSPIRAÇÃO: AS PRINCIPAIS INFLUÊNCIAS DE H.P. LOVECRAFT

Entre suas diversas criações, há uma que se tornou praticamente uma lenda urbana e vive aparecendo na cultura pop. Trata-se de nada mais, nada menos do que o Necronomicon. Um poderoso grimório feito de pele humana e escrito em sangue que tem o sinistro poder de enlouquecer aqueles que ousam desvendar seu conteúdo. Com feitiços e encantamentos capazes de ressuscitar os mortos e estabelecer contato com outras dimensões, a obra também traz a história dos Antigos e formas de invocá-los.  

Aparecendo em várias histórias do autor, o Necronomicon se tornou tão famoso ao longo do tempo que já foi levado para os cinemas algumas vezes, como em A Morte do Demônio (1981) e Jason Vai para o Inferno: A Última Sexta-Feira (1993), além de inspirar a criação de inúmeros outros livros macabros dentro do horror. Mas afinal de contas, o que é o Necronomicon? Qual é a sua importância nas obras de Lovecraft? 

necronomicon evil dead

Uma criação de H.P. Lovecraft

Embora seja um objeto inanimado, o Necronomicon é praticamente um personagem no universo criado pelo escritor americano, sendo mencionado recorrentemente em suas narrativas. A primeira menção oficial ocorreu no conto “O Cão de Caça”, escrito em 1922 e publicado em 1924, o qual acompanha dois ladrões de covas que encontram um misterioso amuleto, o qual consta nas páginas do Necronomicon, o livro proibido escrito por volta de 730 d.C. pelo insano Abdul Alhazred. Apesar desta ser sua primeira aparição no universo lovecraftiano, o Necronomicon é apenas mencionado em “O Cão de Caça”, ganhando mais destaque e importância em obras futuras.

Inclusive, vale apontar que o autor do Necronomicon, Abdul Alhazred, já havia aparecido em “A Cidade sem Nome”, conto publicado um ano antes, em 1921. A história é extremamente importante para o universo interconectado do autor, já que é uma das primeiras a ser ambientada nos Mitos de Cthulhu.

LEIA TAMBÉM: O QUE SÃO OS MITOS DE CTHULHU

Ao longo das décadas, o Necronomicon voltaria a aparecer em outras histórias, fazendo parte de contos amados pelos fãs como “Nas Montanhas da Loucura”, “O Chamado de Cthulhu” e “O Horror de Dunwich”. O grimório maldito se tornou tão famoso que acabou sendo incorporado à ficção de outros autores, como August Derleth e Clarck Ashton Smith. 

nas montanhas da loucura

O nascimento de uma lenda urbana 

Uma característica marcante da escrita de Lovecraft é a forma como suas histórias imitam relatórios oficiais e outros documentos. Ao criar um universo onde cientistas, estudiosos e pessoas comuns têm a sanidade desafiada por monstros antigos, objetos ocultos, outras dimensões e mistérios difíceis de serem compreendidos pela mente humana, o escritor aproximava suas histórias dos leitores, borrando as fronteiras entre o real e a ficção. A forma pela qual Lovecraft descrevia racionalmente coisas aterrorizantes e misteriosas facilitava que leitores questionassem o fato de que aquilo poderia ser um relato verdadeiro de algum aventureiro desafortunado. 

Isso nos ajuda a entender por que o Necronomicon se tornou uma lenda urbana com vida própria. A ideia de que o livro existia mesmo foi reforçada em diversos momentos, por exemplo quando Lovecraft escreveu que após sua tradução para o latim o grimório havia sido banido pelo Papa Gregório IX em 1232 e que apenas cinco instituições no mundo possuíam cópias do manuscrito, incluindo o Museu Britânico, a Biblioteca Nacional da França e a biblioteca da fictícia Universidade Miskatonic, situada em outra criação do autor, a cidade de Arkham, no estado de Massachusetts. 

Essa mistura entre realidade e ficção causou um verdadeiro alvoroço entre os leitores de Lovecraft e de revistas pulp como a Weird Tales. O escritor recebia tantas cartas de pessoas ávidas para saber a localização e detalhes do livro que precisou inúmeras vezes explicar que o Necronomicon era uma mera invenção sua. Vale lembrar que o início do século XX foi marcado por uma intensa fascinação do público com o oculto e objetos antigos, impulsionada pelas escavações no Egito e descobertas de tumbas de faraós. O furor era tão grande que o editor da Weird Tales sugeriu que Lovecraft escrevesse o maldito livro, apenas para saciar a curiosidade dos leitores. 

lovecraft

A história do Necronomicon

Eis que em 1927, Lovecraft finalmente escreveu a história fictícia do Necronomicon, que foi publicada postumamente em 1938. De acordo com o conto, Abdul Alhazred venerava Cthulhu e Yog-Sothoth, recebendo dessas divindades um conhecimento secreto para produzir a primeira versão do livro, cujo título original era Al Azif

Pouco sabemos sobre o próprio Alhazred. O poeta louco passou anos explorando as ruínas da Babilônia, os segredos subterrâneos de Mênfis e o grande deserto ao sul da Arábia. Em seus últimos anos, residiu em Damasco, onde escreveu o Necronomicon, e desapareceu misteriosamente em 738 d.C. 

O Necronomicon então foi traduzido para o grego, ganhando o título que conhecemos, pelo estudioso Theodorus Philetas. Após incidentes macabros, a obra teria sido queimada e banida pela Igreja Católica. Apesar disso, algumas cópias ainda estariam disponíveis pelo mundo em coleções secretas. Mais uma vez misturando realidade e ficção, Lovecraft escreve no conto homônimo que os rumores do Necronomicon inspiraram a escrita de O Rei de Amarelo, de Robert W. Chambers. 

o rei de amarelo

Um dos aspectos mais fascinantes do Necronomicon é justamente sua periculosidade. Afinal, pouquíssimas pessoas sobreviveram após terem contato com suas páginas, capazes de levar os leitores à loucura. Segundo o próprio Lovecraft, o livro possui feitiços para outras dimensões e rituais de invocação de deidades antigas e poderosas, funcionando também como uma grande enciclopédia desses seres. 

Necronomicon na vida real

Lovecraft criou muito mais do que um livro. O Necronomicon une de forma magistral a história factual e os pesadelos criados pelo autor. Tudo isso ajudou a confundir a cabeça dos leitores de que a obra poderia ser real. Embora Lovecraft tenha afirmado categoricamente que o Necronomicon não existia, o fenômeno foi tão grande que acabou transportado para a vida real com edições sendo publicadas como o “verdadeiro” grimório, mas que não passavam de invenções fraudulentas.

Essas publicações ficaram ainda mais populares nos anos 1970 com o aumento no interesse pelo ocultismo. Uma das mais famosas foi a Necronomicon: O Texto de Simon, publicada em 1977. A história conta que dois monges procuraram o editor Herman Slater, famoso na cena ocultista de Nova York, para entregar a única cópia de um terrível livro escrito por um homem chamado Simon. Com uma série de feitiços, a obra procura estabelecer uma relação com as ideias de Lovecraft e Aleister Crowley, além de incluir mitos e rituais sumérios, babilônicos e assírios. 

necronomicon

Necronomicon: O Texto de Simon foi um grande sucesso e continua sendo publicado até os dias atuais, apesar de ser amplamente apontado como uma farsa. Ainda assim, muitas outras publicações afirmando ser o Necronomicon ou se inspirando na obra de Lovecraft vieram depois disso, como a obra homônima de George Hay. 

O legado macabro de H.P. Lovecraft

Ao longo dos anos, Lovecraft continuamente inseriu pequenas informações do Necronomicon em suas histórias, pintando uma imagem vívida e aterrorizante de um livro amaldiçoado cujo conhecimento proibido destrói a mente daqueles que se atrevem a investigá-lo. Um bom dessa rede construída pelo autor é o fato de o Necronomicon ser apontado como a causa da espiral de loucura do artista R. U. Pickman, protagonista do conto “O Modelo de Pickman”, publicado em H.P. Lovecraft: Medo Clássico Volume 2.

lovecraft medo classico

Esse grande universo compartilhado foi o suficiente para criar um objeto icônico que é central na mitologia lovecraftiana e que também transbordou para o mundo real, alimentando lendas urbanas, publicações macabras e outros produtos culturais. Não é de se espantar que o Necronomicon apareça em jogos de RPG, filmes de terror e outras obras literárias. O impacto é tão grande que o livro passou a ser recriado em versões feitas pelos fãs.

Se você se interessou pelo Necronomicon e tem coragem de desvendar seus segredos profanos, a Caveira tem uma boa notícia. O conto acabou de se republicado na edição de Necronomicon: Vida & Morte de H.P. Lovecraft, biografia escrita pelo professor de história W. Scott Poole e lançada em parceria com a Macabra. Necronomicon: Vida & Morte de H.P. Lovecraft investiga a fundo a mente criativa e perturbadora do polêmico escritor americano, explorando sua vida, suas obras e seu imenso legado. 

necronomicon vida e morte de hp lovecraft

Integrando a coleção tentacular da Caveira, que contém dois volumes de contos de Lovecraft e adaptações ilustradas, Necronomicon traz um olhar único sobre um dos maiores nomes da literatura mundial. Entre deuses antigos e encantamentos pervertidos, chegou finalmente a hora de abrir de uma vez por todas o livro maldito.

LEIA TAMBÉM: LOVECRAFT NA CULTURA POP

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneCuriosidades

Jane Toppan: Conheça o caso dessa lady killer

Conhecida como “a primeira serial killer dos Estados Unidos”, Jane Toppan se valia...

Por DarkSide
FilmesFirestar Videolocadora

Deadly Blessing: Wes Craven, pesadelos e Sharon Stone

Alguns mestres supremos do terror se tornaram tão fortemente associados a algumas de...

Por Cesar Bravo
FilmesNovidades

Blumhouse fará um novo A Bruxa de Blair com a Lionsgate

Jason Blum vai reviver A Bruxa de Blair — e se você não captou o que significa essa...

Por DarkSide
Crime SceneLançamento

Lançamento: Lady Killers Profile: Jane Toppan, por Harold Schechter

Em 1891, Jane Toppan jurou cuidar e proteger em sua profissão como enfermeira...

Por DarkSide
Crime SceneNovidades

O.J. Simpson morre aos 76 anos

Aos 76 anos de idade, O.J. Simpson faleceu em decorrência de um câncer nessa...

Por DarkSide