Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


CuriosidadesMedo Clássico

O que são os Mitos de Cthulhu

H. P. Lovecraft criou um universo perpetuado por escritores até os dias de hoje

09/02/2023

Nas profundezas há um deus adormecido apenas aguardando que seus seguidores lhe despertem para que ele dissemine a loucura e a destruição pelo mundo. Meio polvo, meio humano e meio dragão, Cthulhu foi imortalizado no imaginário popular e se tornou um dos personagens mais conhecidos de H. P. Lovecraft.

LEIA TAMBÉM: O OLHAR AFIADO DE FRANÇOIS BARANGER SOBRE A OBRA DE H.P. LOVECRAFT

O conto em que o personagem fez sua primeira aparição, O Chamado de Cthulhu, ganhou uma edição ilustrada pelo artista François Baranger, devidamente publicada pela Caveira. Além de entrar na atmosfera sinistra e caótica de Lovecraft, o leitor tem a oportunidade de mergulhar nas imagens grandiosas de Baranger.

cthulhu

Na trama, Cthulhu aparece pela primeira vez como uma estatueta de argila em sua forma octópode monstruosa. A entidade está ligada ao mito dos Grandes Antigos, divindades que vez ou outra aparecem na obra de H. P. Lovecraft, como na novela Nas Montanhas da Loucura

Este coletivo de monstros lovecraftianos compõem os Mitos de Cthulhu, que são basicamente os seres fantásticos que habitam o universo compartilhado na obra do autor. Só que o termo não foi criado por ele, e sim pelo escritor August Derleth, que era aprendiz de Lovecraft. O termo “Mitos de Cthulhu” também é utilizado para identificar cenários locais e tradições empregados por Lovecraft e seus sucessores literários.

Os Mitos de Lovecraft e de Derleth

Há uma cisão entre escritores e estudiosos sobre a validade dos Mitos segundo a definição de August Derleth, pois ela diverge do universo de Lovecraft em alguns pontos. Diante disso, o escritor Richard L. Tierney, que também escreveu contos de Mitos, utilizou o termo “Mitos de Derleth” para distinguir as obras do aprendiz daquelas criadas pelo próprio H. P. Lovecraft.

A questão com os Mitos segundo Derleth é que ele incorporou o universo de Lovecraft segundo sua própria visão, aplicando elementos do cristianismo e a dualidade entre o bem e o mal nos Mitos — o que contradiz o mundo caótico, hostil e sem sentido que era tão característico da obra lovecraftiana. 

Até mesmo os leitores de Lovecraft têm ressalvas quanto às liberdades tomadas por Derleth, considerando-as prejudiciais às obras originais. A interpretação do aprendiz é considerada incabível porque Lovecraft era ateu e considerava os valores éticos ocidentais uma piada, uma visão sem margem para noções tão simplistas como “bem versus mal”.

Na visão de H. P. Lovecraft, os Mitos de Cthulhu não formam uma mitologia coesa, e sim uma coletânea de ideias que poderiam ser utilizadas para provocar as mesmas sensações e emoções. Os seres lovecraftianos precisavam desta natureza caótica, brutal, cruel e indiferente aos humanos justamente para os tornar ainda mais hediondos e incompreensíveis.

LEIA TAMBÉM: DA OBSESSÃO À INSPIRAÇÃO: AS PRINCIPAIS INFLUÊNCIAS DE H.P. LOVECRAFT

Os diferentes estágios dos Mitos de Cthulhu

A partir desta compreensão distinta sobre as visões de Lovecraft e Derleth, o autor Robert M. Price descreveu dois estágios no desenvolvimento dos Mitos de Cthulhu. O primeiro deles é definido como “os Mitos de Cthulhu propriamente ditos”, ou seja, aqueles formulados durante a vida de Lovecraft e sujeitos à sua orientação. A segunda foi guiada por August Derleth. 

Os estágios se caracterizam das seguintes maneiras:

Primeiro Estágio: Lovecraft acreditava em um universo sem propósito, mecânico e indiferente, no qual o ser humano, com suas faculdades limitadas, nunca pode compreendê-lo por completo — e os personagens humanos de Lovecraft que se depararam com esta revelação foram levados à loucura. Porém, estudiosos acreditam que o autor não queria criar um mito canônico, por isso nunca houve um sistema rígido de criação de suas criaturas, que serviam de pano de fundo para suas histórias. Apesar de os Mitos nunca terem sido formalizados ou reconhecidos por seu criador, o autor compartilhou elementos de suas histórias com outros escritores, um grupo que ficou conhecido como “Círculo de Lovecraft”.

Segundo Estágio: a principal diferença empregada por August Derleth é a esperança e a ideia de que os Mitos de Cthulhu representavam uma luta entre o bem e o mal. Derleth também tentou conectar as divindades aos quatro elementos: ar, terra, fogo e água. Para legitimar este sistema, ele criou seres representativos de certos elementos.

Quem eram os Mitos de Cthulhu

Segundo os Mitos, a Terra teria sido habitada há bilhões de anos por criaturas que chegaram aqui antes que o planeta fosse capaz de gerar sua própria vida. Eles é que teriam criado a vida, incluindo o ser humano, gerado unicamente por escárnio e servitude. 

As deidades podem ser classificadas em quatro espécies: Grandes Antigos, Deuses Exteriores, Anciões e os Grandes

Os Grandes Antigos, dos quais Cthulhu era o alto sacerdote, são criaturas antigas e poderosas, adoradas por cultos humanos. Eles teriam criado não apenas a vida na Terra, mas o universo como um todo. Sua influência costuma ser limitada ao planeta ou ao sistema planetário que habita.

cthulhu
Imagem: iStock

Já os Deuses Exteriores têm influência ilimitada, ao contrário dos Grandes Antigos, e funcionam em uma escala cósmica. Podem ser subdivididos em Deuses Externos Menores ou Outros Deuses.

Os Anciões se opõem aos Deuses Exteriores e aos Grandes Antigos. Estes entram no panteão de Derleth e são considerados não lovecraftianos, pois introduzem a dicotomia entre o bem e o mal. Porém, há estudiosos que defendem que estes seres não se preocupam com as noções humanas de moralidade, tais quais seus rivais.

Já os Grandes são os chamados “deuses” das Terras dos Sonhos. Eles não são tão poderosos quanto os Grandes Antigos e nem são tão inteligentes quanto a maioria dos humanos. Porém, são protegidos pelos Deuses Externos.

Para conhecer mais sobre o universo criado por H. P. Lovecraft, a DarkSide® Books conta com as coletâneas H. P. Lovecraft: Medo Clássico vol. 1 e H. P. Lovecraft: Medo Clássico vol. 2, que trazem os contos do mestre do horror cósmico.

LEIA TAMBÉM: 12 BANDAS QUE SE INSPIRARAM NO UNIVERSO CRIADO POR LOVECRAFT

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

2 Comentários

  • Margarete da Silva Castro Cunha

    15 de fevereiro de 2023 às 17:25

    Tenho um livro com alguns contos de Lovecraft, gosto muito desse tipo de literatura.

  • Manoel neto

    27 de março de 2023 às 23:50

    tenho 21 anos, comecie ha 3 dias os contos de Lovecraft e nao consigo parar de ler nada!!! são tantas possobilidades, o universo cosmico é supreendente, a adesao de outros autores é algo incrivel tambem.

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Drácula - Dark Edition + Brinde Exclusivo
R$ 99,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Legião
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Star Wars: Dark Edition + Brinde Exclusivo
R$ 99,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
FilmesNovidades

Oldboy: Park Chan-wook vai participar da adaptação do filme para a TV

E vamos de mais adaptação. Desta vez, a obra é o clássico sul-coreano Oldboy, de...

Por DarkSide
DarkloveSéries

4 Séries que têm tudo a ver com Reino das Bruxas

O momento que tantos DarkSiders esperavam finalmente chegou: a trilogia Reino das...

Por DarkSide
NovidadesSéries

Steve Buscemi entra para o elenco da segunda temporada de Wandinha

Como vocês estão, amiguinhos? A Caveira está bastante animada com a notícia de que...

Por DarkSide
DarkloveLivros

4 Livros para se encantar pela narrativa de Catherine Ryan Hyde

Encontros improváveis e relações humanas repletas de camadas são marcas registradas...

Por DarkSide
LançamentoMacabra

Lançamento: Medicina Macabra 4, por Arnold van de Laar

Somos seres curiosos por natureza. Embarque conosco no quarto volume da coleção...

Por DarkSide