Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

DarksideOssos do Ofício

O Perrengue de Cada Dia

Por trás da tradução de O Mal Nosso de Cada Dia (Donald Ray Pollock)

Em fevereiro de 2017, como muitos, deixei o interior da Bahia e fui para São Paulo em busca de trabalho. Como poucos, buscava trabalhar com livros.

Para poder me dar ao luxo de escolher meu próximo emprego, passei o ano anterior juntando dinheiro para aguentar alguns meses tranquilos na cidade da garoa. Em sua maior parte, eram os lucros resultantes de um investimento certeiro numa plantação de cebolas na região de Irecê – a plantação, por sua vez, tinha sido financiada com a grana de um edital para a escrita de um livro de contos fantásticos passados na Bahia, até hoje inédito.

Cheguei em São Paulo sem conhecer nada ou ninguém, com vinte livros na capanga, um mestrado em tradução, e uma meia dúzia de artigos, contos e ensaios publicados por aí. Não previa que amargaria sete meses de desemprego numa cidade capaz de lhe oferecer qualquer coisa a qualquer hora – desde que você tenha dinheiro. Enquanto varava os dias da cidade entregando currículos pessoalmente e as noites entregando currículos virtualmente, aproveitei a liberdade do desemprego para desfrutar da famosa vida cultural paulistana, que lhe oferece por um preço baixo muita coisa que você desejar – desde que você tenha tempo.

Desbravei bibliotecas públicas e cinemas retrôs; assisti a peças de teatro insuportáveis e a orquestras sublimes; frequentei cursos baratinhos de escrita, edição, tradução, roteiro e quadrinhos. Em setembro, com minhas reservas perto do fim, quando dividia meus planos entre me integrar à Cracolândia ou voltar para o sertão com o rabo entre as pernas, recebi da editora a confirmação de que traduziria The Devil All the Time, de Donald Ray Pollock.

LEIA TAMBÉM: O MAL NOSSO DE CADA DIA É A FÚRIA DA NOVA LITERATURA

Alguns meses antes, logo que vislumbrei a oportunidade de traduzir o romance, apreciei a prosa exuberante e incisiva do autor, de maneira que, mesmo sem a confirmação, encomendei um exemplar físico do livro. Com a confirmação, vasculhei as bibliotecas da cidade em busca de atmosfera. Gosto de me rodear com obras relacionadas ao tema quando estou na iminência de produzir algo. Além de filmes, entre o primeiro contato e o dia em que entreguei a tradução, li Onde os Velhos Não Têm Vez, de Cormac McCarthy, alguns contos de Flannery O’Connor, Winesburg, Ohio, de Sherwood Anderson (também passado em Ohio, também protagonizado por um Willard) e listei mais um monte de obras que só leria depois.

Como não tinha mesa em casa, comecei a tradução na praça de alimentação de um shopping. Mal traduzira um punhado de capítulos – lembre-se, após longos meses de desemprego – e o computador travou exatamente enquanto eu digitava. Por sorte (minha e de muita gente), sou um mero operário das letras, e não um cozinheiro (poderia ser vazamento de gás), um pedreiro (escada mal parafusada), ou um piloto de avião (falha na turbina).

LEIA TAMBÉM: ENTREVISTA EXCLUSIVA COM DONALD RAY POLLOCK, AUTOR DE O MAL NOSSO DE CADA DIA

O computador não ligou mais, e um simples diagnóstico do problema demoraria um quarto do prazo do livro. Nos cursos de edição eu já havia aprendido como o descumprimento dos prazos podia desandar uma parceria, ainda mais uma recente. Eu que não furaria o prazo logo na primeira tradução. A solução foi começar a traduzir o livro à mão, em folhas de ofício, e depois digitar tudo numa lan house, aproveitando para revisar nesse mesmo momento – um processo prolongado, que em meu sertão denominamos “trabalho de corno”, mas nada comparado aos problemas reais dos personagens do romance.

Compadecida, minha amiga Júlia, que eu conhecera em um daqueles cursos, salvou a minha vida ao me emprestar um netbook chileno pouco menor que a edição de O Mal Nosso de Cada Dia da DarkSide®. Durante todo o processo, não aprendi a colocar o acento agudo nele, e tive que copiar e colar um a um, os que não foram inseridos pelo corretor automático. Ao contrário do que muitos podem pensar, até isso foi feito com animação. Confesso que, quando finalmente recebi meu exemplar do livro, quase três anos depois, no meio da pandemia, senti saudades desse processo tortuoso; e dos caminhos que precisei encontrar para consertar tanto perrengue.

LEIA TAMBÉM: DIA DO TRADUTOR: CONHEÇA CURIOSIDADES E DESAFIOS DA PROFISSÃO

Sobre Paulo Raviere

PAULO RAVIERE nasceu em Irecê, Bahia, em 1986. Tem mestrado em tradução pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e atualmente cursa o doutorado na FFLCH/USP. Colaborou com o Blog do IMS e as revistas Pesquisa FAPESP, Barril, Serrote e Piauí. Traduziu O Médico e o Monstro e Outros Experimentos (Robert Louis Stevenson), Antologia Macabra (Hans-Åke Lilja), Psicopata Americano (Bret Easton Ellis), O Mal Nosso de Cada Dia (Donald Ray Pollock), Livros de Sangue (Clive Barker), Coração das Trevas (Joseph Conrad), todos publicados pela DarkSide® Books. Saiba mais em raviere.wordpress.com.

1 Comentário

  • Wilma Suely Ribeiro Reque

    19 de julho de 2021 às 18:14

    Linda apresentação!
    Se eu não tivesse já o livro, compraria imediatamente!!
    Que tenha muito sucesso em centenas de livros!

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

O Mal Nosso de Cada Dia + Brinde Exclusivo
R$ 59,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Psicopata Americano + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Coração das Trevas + Brinde Exclusivo
R$ 54,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
EntrevistaMagicae

Duas bruxas contam como a cultura pagã foi transformada durante a pandemia

A pandemia fez com que muitos dos nossos hábitos precisassem se adaptar ao momento que...

Por DarkSide
CuriosidadesMacabra

Crimes Vitorianos Macabros: Curiosidades sobre Jack, o Estripador

A Londres do final do século XIX parecia o centro do mundo: com seus imponentes...

Por DarkSide
CuriosidadesMacabraMedo Clássico

Conheça C. Auguste Dupin, o pai dos detetives de ficção

Grandes escritores buscam inspiração e mentoria em outros grandes escritores. Em...

Por DarkSide
Crime SceneOssos do Ofício

Minha vida de editor na DarkSide, parte 1

Gente mui querida que adora a Caveira, vim aqui pra gente desfiar um-dois minutinhos de...

Por Lielson Zeni
Vários

Todos sofrem de nomofobia: Millenials, Geração Z e cringe

Uma batalha de gerações tomou conta das redes sociais nas últimas semanas: a...

Por DarkSide