Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


CuriosidadesGraphic Novel

O que é ero guro?

Disseque o estilo de Shintaro Kago no mangá Pedacinhos

28/02/2024

Um gênero marcado pela união entre o erótico e o grotesco. Uma manifestação literária e artística que se expande para uma atitude e filosofia de vida. Esse é o ero guro, um movimento contracultural japonês que abalou e continua abalando a tradicional sociedade japonesa. 

LEIA TAMBÉM: ESCATOLÓGICO E GROTESCO: O BIZARRO E EXTRAORDINÁRIO UNIVERSO DE SHINTARO KAGO

É nessa vertente, capaz de fazer até mesmo o Marquês de Sade corar de vergonha, que temos Pedacinhos, premiado mangá de Shintaro Kago. Ambientado em meio a uma série de assassinatos misteriosos em que corpos femininos são encontrados divididos ao meio, Pedacinhos e seu autor Shintaro Kago são grandes representantes do ero guro no mundo dos mangás. 

pedacinhos

Mas afinal de contas, o que é ero guro? Vem que a Caveira te leva pelo Japão do início do século XX para explicar esse estilo único e para lá de interessante. 

O Japão da década de 1920

Engana-se quem acha que o ero guro se resume à pornografia ou horror. Embora muitas vezes trabalhe com esses gêneros, o movimento possui uma relação intrínseca com o Japão das décadas de 1920 e 1930, tecendo comentários sociais por meio de enredos e ilustrações que abarcam monstruosidade, mutilação e sexo. 

Antes de entrarmos especificamente no ero guro, vale uma rápida recapitulação da história japonesa. Nos anos 1920, o Japão já havia passado por dois conflitos armados, a Guerra Russo-Japonesa e a I Primeira Guerra Mundial. Situado como uma nova potência imperialista, o país se encontrava entre o final do período Meiji, marcado pelo nacionalismo e industrialização, e o período Showa, caracterizado pelo conservadorismo e militarismo. É no período chamado de Taisho que o Japão foi marcado por uma grande agitação social, pelo consumismo desenfreado e aumento da ocidentalização. A mídia de massa se expandiu e artistas vanguardistas pregavam um estilo de vida ligado ao hedonismo.

LEIA TAMBÉM: QUAL A RELAÇÃO ENTRE PEDACINHOS E FILMES DE TORTURE PORN

Era um terreno fértil para o nascimento do ero guro, que marcava o fascínio pelo bizarro e decadente, assim como uma forma de resistência contracultural. Existem inúmeras explicações para esse surgimento. Alguns historiadores apontam que era a exploração de uma nova liberdade sexual e moral. Enquanto outros indicam ser uma forma de rebelião contra os valores tradicionais do Estado ou até mesmo uma sátira à ocidentalização. 

ero guro

A arte da resistência e da crítica

O certo é que o ero guro apareceu na década de 1920 como uma subcultura que explorava o desviante, o bizarro e até o ridículo, manifestando a atmosfera social da época. O fascínio pelo erotismo, já presente na arte japonesa, se aliou ao sensacionalismo e à exploração de excessos, tabus e temas considerados anormais, aliados a novas políticas sexuais e mudanças políticas e sociais. 

As raízes do movimento remontam a artistas do século XIX, como Tsukioka Yoshitoshi, que em 1860 produzia xilogravuras violentas e explícitas com decapitações e atos eróticos. Yoshitoshi viveu em um Japão devastado pela guerra civil, o que posteriormente levaria a mudança para o regime Meiji. Esse detalhe mostra como o ero guro é catapultado por momentos marcados por guerras, protestos e ocidentalização.

Embora possua raízes no século XIX, o ero guro apareceu distintamente nas décadas de 1920 e 1930. Um momento definidor foi o chamado Incidente Abe Sada em 1936, quando uma prostituta estrangulou seu amante até a morte durante o ato sexual, cortando suas genitais e as carregando em seu próprio quimono. O caso gerou muita comoção na época e fascinou as pessoas, de forma que muitos artistas e escritores se inspiraram nesses acontecimentos bizarros para criar eventos ainda mais estranhos na ficção. O caso inclusive chegou a ser base para o filme de 1976 O Império dos Sentidos.

império dos sentidos

Um dos exemplos mais famosos do ero guro da época é o conto A Lagarta, publicado pelo autor Edogawa Ranpo em 1929. Exemplificando o foco no erotismo e grotesco, a história envolve um veterano de guerra tetraplégico e surdo cuja esposa precisa agir como sua babá e escrava sexual até que ela passa a torturá-lo.

Um legado que vai muito além 

Nascido nos anos 1920 e 1930, o ero guro logo encontrou a censura japonesa, de forma que muitas dessas atividades foram suprimidas durante a II Guerra Mundial. No entanto, isso não significa que o movimento desapareceu. Pelo contrário.

No período pós-guerra, o ero guro ressurgiu em novas formas de expressão, principalmente em mangás e pinturas, eventualmente encontrando espaço no cinema e na música. Alguns dos artistas que se destacaram a partir dos anos 1960 foram Toshio Saeki, conhecido pelo senso de humor macabro com imagens de figuras decapitadas e personagens pervertidos; Suehiro Maruo, mangaká marcado pelo estilo gráfico e controverso; Takato Yamamoto, ilustrador que mistura o estilo tradicional japonês com a arte gótica ocidental e Shintaro Kago, mangaká autor de Pedacinhos, famoso por sua apreciação do surreal e absurdo. 

suehiro maruo

O ero guro perdurou ao longo do tempo, chegando a transbordar para produções ocidentais. É o caso da capa do álbum You’re Dead! do rapper americano Flying Lotus, que foi desenhada pelo próprio Shintaro Kago, e filmes como American Mary de 2012. De gravuras e xilogravuras para o cinema e mangás, o estilo continua se desenvolvendo, consolidando um lugar na esfera artística e incitando a controvérsia. Com uma arte que continuamente inova, inspirando artistas que pensam diferente, o ero guro é uma grande caixinha de surpresas. Ainda não sabemos qual caminho o movimento vai trilhar, mas temos certeza de que será algo impactante e igualmente bizarro. 

LEIA TAMBÉM: É FÃ DE JUNJI ITO? 5 MOTIVOS PARA CONHECER A OBRA DE SHINTARO KAGO

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Pedacinhos + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Fragmentos do Horror + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Ela Não Pode Confiar

    Wicked
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneCuriosidades

Jane Toppan: Conheça o caso dessa lady killer

Conhecida como “a primeira serial killer dos Estados Unidos”, Jane Toppan se valia...

Por DarkSide
FilmesFirestar Videolocadora

Deadly Blessing: Wes Craven, pesadelos e Sharon Stone

Alguns mestres supremos do terror se tornaram tão fortemente associados a algumas de...

Por Cesar Bravo
FilmesNovidades

Blumhouse fará um novo A Bruxa de Blair com a Lionsgate

Jason Blum vai reviver A Bruxa de Blair — e se você não captou o que significa essa...

Por DarkSide
Crime SceneLançamento

Lançamento: Lady Killers Profile: Jane Toppan, por Harold Schechter

Em 1891, Jane Toppan jurou cuidar e proteger em sua profissão como enfermeira...

Por DarkSide
Crime SceneNovidades

O.J. Simpson morre aos 76 anos

Aos 76 anos de idade, O.J. Simpson faleceu em decorrência de um câncer nessa...

Por DarkSide