Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

Fábulas DarkMúsica

Qual a relação entre os Beatles e Alice Através do Espelho?

Obra de Lewis Carroll está presente em uma das composições mais enigmáticas da banda.

Houve uma fase na carreira dos Beatles que várias de suas letras viraram motivo de especulação. Produzidas na fase mais psicodélica do grupo, as composições faziam com que as pessoas buscassem significados ocultos. Uma delas é a letra de “I am the Walrus”, do álbum Magical Mystery Tour.

LEIA TAMBÉM: BILL MORRISON FALA SOBRE O DESAFIO DE ADAPTAR CLÁSSICO DOS BEATLES PARA QUADRINHOS

Dizem que John Lennon escreveu a música justamente para confundir os ouvintes, que estavam tão empenhados em decifrar significados ocultos das letras a estas alturas. A alegação é de que “I am the Walrus” teria sido inspirada por duas viagens de LSD e no poema de Lewis Carroll “A Morsa e o Carpinteiro”, publicado no livro Alice Através do Espelho

Sobre o que fala “A Morsa e o Carpinteiro”

Muitas pessoas se lembram desta história por causa do longa animado da Disney, lançado em 1971, que misturou alguns elementos de Alice no País das Maravilhas com sua continuação. Na história, os gêmeos Tweedledee e Tweedledum recitam o poema para Alice, em que a Morsa e o Carpinteiro encontram ostras no litoral. 

Eles atraem as ostras para a areia, trazem pão, pimenta e vinagre e devoram todos os moluscos. A Morsa demonstra algum tipo de remorso após o banquete, mesmo tendo comido mais ostras do que o Carpinteiro, que por sua vez acabou comendo menos, mas não mostrou qualquer tipo de arrependimento.

LEIA TAMBÉM: CHEGOU A HORA DE VOLTAR AO PAÍS DAS MARAVILHAS

Após ouvir a história, Alice entra em um dilema moral para determinar qual dos dois personagens teria a atitude mais aceitável: a Morsa por demonstrar remorso, ou o Carpinteiro por ter comido menos.

Muitas especulações surgiram sobre qual seria o significado do poema de Carroll. Alguns acreditam que a Morsa seria Buda, enquanto o Carpinteiro seria Jesus Cristo (principalmente pela profissão). Também especulou-se sobre a possibilidade de ser uma crítica política, sendo a Morsa e o Carpinteiro as nações do Reino Unido e dos Estados Unidos, respectivamente.

No entanto, a decisão sobre o papel do Carpinteiro foi tomada pelo ilustrador John Tenniel, que tinha entre as opções, além de um carpinteiro, incluir uma borboleta ou um baronete, já que cada palavra se encaixaria na métrica do poema de Lewis Carroll. Como a escolha foi de Tenniel, podemos excluir a teoria do significado religioso. Além disso, estudiosos alertam que nem todos os simbolismos empregados pelo autor são intencionais.

As peculiaridades de “I am the Walrus”

Apesar de provavelmente não ter todos os significados ocultos das teorias daqueles mais dedicados, há sim alguns fatos curiosos sobre a composição. Por exemplo, todas as letras musicais do alfabeto são empregadas (A, B, C, D, E, F e G). Além disso, o produtor George Martin fez os arranjos e adicionou acompanhamento de uma orquestra que incluía violinos, violoncelos, trompas e clarinete. Há também um coral de 16 vozes que fica cantando frases nonsense e fazendo sons aleatórios.

A música foi bem recebida na época de seu lançamento e curiosamente alcançou o primeiro e o segundo lugar das paradas de sucesso britânicas ao mesmo tempo. Pouco tempo depois do lançamento, a BBC baniu a música de sua programação por causa da frase “Boy, you’ve been a naughty girl, you let your knickers down”, que faz alusão a deixar as calcinhas caírem. Polêmico.

A inclusão do poema “A Morsa e o Carpinteiro”, no fim das contas, foi tão aleatória que somente mais tarde John Lennon se deu conta de que a Morsa é uma vilã na história. A descoberta o deixou profundamente desanimado.

LEIA TAMBÉM: ESPELHOS, XADREZ E GELEIA: AS SIMBOLOGIAS DE ALICE ATRAVÉS DO ESPELHO

Sobre DarkSide

Eles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneCuriosidadesGraphic Novel

O que o Green River Killer, Ted Bundy e Hannibal Lecter têm em comum?

Para capturar um serial killer às vezes é preciso entrar na mente de um deles. Foi...

Por DarkSide
FilmesMedo Clássico

Como o Horror de Coração das Trevas influenciou Apocalypse Now

No final do século XIX, após um longo período de exploração belga no Congo, o...

Por DarkSide
CuriosidadesGraphic Novel

Conheça o caso de Green River Killer

Um dos serial killers com o maior número de vítimas nos Estados Unidos rendeu quase...

Por DarkSide
LançamentoMedo Clássico

“O horror! O horror!”: Coração das Trevas, por Joseph Conrad, chega à DarkSide

Em meados da década de 1870, o rei Leopoldo II da Bélgica passou a...

Por DarkSide
Crime Scene FictionFilmesListas

Nó na Garganta: 8 Curiosidades sobre o filme de Butcher Boy

A infância nem sempre é um período repleto de brincadeiras e boas lembranças. Em...

Por DarkSide