Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ

Coven MagicaeMagicae

Readaptações Mágickas

A magia sempre foi sobre se adaptar

Conversando com amigos ligados à bruxaria, chegamos à conclusão sobre a necessidade que tivemos de adaptar a nossa realidade no manuseio mágicko durante os rituais que fazíamos. A verdade é que, quando estamos começando, pensamos muito em como precisamos ter as melhores ferramentas, até pelos exemplos que encontramos nas redes sociais para fazer a magia acontecer. E não precisa ser exatamente assim.

Contando um pouco sobre o meu processo, eu tinha um medo de que, para trabalhar com as energias que gostaria, eu tivesse que oferecer o que não tinha, ou até mesmo ter aquele altar impecável, de vitrine mesmo. E fui pega de surpresa no meu primeiro contato com os guias, deixando claro que, para alguns contextos, é preciso sim uma maior elaboração.

LEIA TAMBÉM: E SE A BRUXARIA ACONTECESSE NA FAVELA?

O negócio é que, a magia pensando no seu comecinho, sempre foi sobre se adaptar à realidade do período que a precedia. Logo, a bruxa iria se utilizar das ferramentas que estavam disponíveis naquele momento, certo?

Então, quando acessamos algumas fontes, vemos as mesmas referências de ferramentas, ervas, e etc para realizar alguns rituais, e alguns desses artifícios nem existem no lugar que moramos ou, até mesmo, não existem mais, porque faziam parte daquela época.

Por isso este artigo vem com o objetivo de desmistificar o pensamento de que precisamos ter o objeto datado ou ervas raríssimas para colocar nosso rolê mágicko para funcionar. Na verdade você só precisa de um pouco de discernimento para não acabar misturando as energias e afetando toda a egrégora.

Como faço as minhas adaptações?

Créditos: Vox.

Como disse acima, é importante que tenhamos discernimento durante a efetuação dos nossos rituais. Para começar, vamos pensar numa listinha de organização para colocar a magia para funcionar.

1. Saiba a quem ou a o que se dedica o ritual

É para uma deidade, é para energia, é natureza, é preciso pensar em qual movimento se articula inicialmente o teu ritual.

2. Pensar nas intenções

O principal no movimento de ritualizar é a intenção, então eu tenho que fomentar qual o intuito e por que estou entrando em contato com aquelas energias que estão cerceando meu caminho. Exemplo: minha intenção é para que eu tenha prosperidade.

3. Faça uma lista com o que você vai precisar para fazer a magia

Ex: Vou precisar de um athame, tenho o athame? Não, mas posso substituir por uma ferramenta da cozinha. Vou precisar de um caldeirão para esquentar as minhas ervas, tenho esse caldeirão? Não, substituo por uma panela que dá super conta do recado, (neste caso é importante pensar que a panela deve ser usada depois disso apenas para rituais)

Ah, e se tiver uma erva que precisa ser colocada no ali, e eu não tenho, mas possuo uma com função similar, posso adicionar? Claro.

4. Organizar o seu espaço de ritual

É sempre bom fazer aquela faxina, não apenas energética. Mas, para além disso, nem sempre poderemos ir ao meio do mato para fazer o ritual, então, que seja num lugar em que você se sinta minimamente confortável. Sendo assim, quando pensamos no fazer mágicko, em ser bruxos, temos que levar em consideração sempre o tempo ao qual fazemos parte.

LEIA TAMBÉM: DUAS BRUXAS CONTAM COMO A CULTURA PAGÃ FOI TRANSFORMADA DURANTE A PANDEMIA

Arin Murphy-Hiscock diz na introdução de seu livro Bruxa Natural:

“Uma bruxa natural vivia isolada, usando as energias das plantas e árvores ao seu redor para curar os outros. Aqueles que precisavam de seus serviços viajavam para vê-la. Nos dias de hoje, é mais provável que a bruxa natural viva no meio da cidade ou nos subúrbios”.

Ou seja, quando falamos de adaptações em nossos rituais, primeiro é para que pensemos como a bruxaria é sobre liberdade e autonomia também, não mais um artefato de doutrinação sobre as nossas vidas, e segundo, porque a bruxa se define em si pela relação que tem com o mundo ao seu redor. O caminho natural é não normalizado, pois a norma é só mais uma condição que nós fomos ensinados a acreditar, já o natural é quem somos instintivamente.

É isso!

Espero que vocês tenham gostado do texto. Nesta matéria descobrimos como é possível fazer mágicka com o que temos em nossas mãos e isso é incrível! Se ressoou por aí, não deixe de ler mais sobre o caminho da bruxaria natural no livro Bruxa Natural e descobrir outras formas de fazer a magia existir na sua vida!

LEIA TAMBÉM: OS QUATRO ELEMENTOS NA BRUXARIA NATURAL

Sobre Pam Ribeiro

Prazer, eu sou a Pam Ribeiro, A Bruxa Preta, dona e proprietária deste portalzão favelado. Facilitadora do reencontro com a nossa natureza divina por meio da decolonização espiritual. Terapeuta reikiana, taróloga, e astróloga. Na busca por levar a magia preta através da escrita curativa e poética marginal.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Bruxa Natural + Brinde Exclusivo
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Crime SceneFilmesSéries

Raphael Montes: Das páginas para as telas

Raphael Montes sempre demonstrou seu interesse pela Literatura e, embalado por livros...

Por DarkSide
HalloweenLançamentoMacabra

Lançamento: Halloween – O Legado de Michael Myers, de Dustin McNeill e Travis Mullins

A Macabra Filmes, em parceria com a DarkSide® Books, realiza um sonho antigo da...

Por Macabra
Graphic NovelVários

Stephen King assombra o mundo há 74 anos

Stephen King é um dos maiores mestres do terror e vem aterrorizando gerações com...

Por DarkSide
Dark HouseDarksideLançamento

Dark House: Uma coleção de casas diabolicamente assombradas

Para celebrar nove anos de histórias assombrosas, a Caveira convida os darksiders a um...

Por DarkSide
DarksideLançamento

Nova edição: Amityville, de Jay Anson

Depois de passar um período fechada, a propriedade no número 112 da Ocean Avenue...

Por DarkSide