Dark

BLOG

O UNIVERSO DARK DE FÃ PARA FÃ


DarkloveGraphic NovelListasMedo Clássico

A evolução do mito do vampiro na literatura + 6 HQs e Livros sanguinários

Da poesia ao gótico e ao gore, a ficção vampiresca fascina as pessoas há séculos

Quem vê os elegantes e sedutores vampiros do século 20 dificilmente os associa às repulsivas criaturas mortas-vivas do folclore do leste europeu, do qual foram inspirados. Em quase quatro séculos, a literatura vampiresca tomou conta do imaginário popular e se adaptou às mudanças da sociedade e anseios dos leitores, mantendo-se relevante até os dias de hoje.

Há, inclusive, uma mitologia bem definida quando o assunto envolve vampiros. Ela é composta por características como: sede por sangue humano, presas afiadas, trocar o dia pela noite, não poder ser exposto à luz solar, sensibilidade a alho e ao símbolo da cruz e a morte por meio de uma estaca no coração. Muito do arquétipo do vampiro se deve a Bram Stoker e sua obra-prima Drácula. Mas o conde da Transilvânia está longe de ter sido o primeiro vampiro da literatura.

LEIA TAMBÉM: BRAM STOKER: 172 ANOS DO NASCIMENTO DO MESTRE DO MEDO CLÁSSICO

Origem e poesia vampiresca

A ficção envolvendo vampiros encontra suas raízes entre as décadas de 1720 e 1730 na área que hoje é a Sérvia. A região vivia uma verdadeira histeria vampiresca depois de dois casos de possíveis vampiros: homens já falecidos que supostamente saíram de seus túmulos causando a morte de algumas pessoas.

Uma das primeiras obras literárias envolvendo o folclore dessas criaturas foi o poema alemão O Vampiro, de Heinrich August Ossenfelder. Os versos são repletos de erotismo e já estabelecem a sede de um vampiro pelo sangue de sua amada. A partir de então, várias histórias envolviam um personagem voltando do túmulo para visitar viúvas ou amantes e levá-las para o outro lado.

Em sua obra vampiresca A Noiva de Corinto (1797), Goethe inverte a lógica, colocando uma vampira em busca de seu ainda vivo noivo. A história amplia a temática para o conflito entre paganismo e cristianismo.

No século 19, quem trouxe de volta os vampiros à tona foi Lorde Byron por meio de um poema e de histórias nunca finalizadas. Alguns fragmentos foram escritos durante uma temporada na companhia de Mary Shelley — que na mesma época começou a escrever Frankenstein —, Percy Shelley e de John William Polidori, que era médico de Byron. 

John William Polidori, Lord Byron, Mary Shelley e Percy Shelley

LEIA TAMBÉM: DISSECANDO AS CRIATURAS DE MARY SHELLEY, BRAM STOKER E ROBERT LOUIS STEVENSON

Eles travaram uma competição de histórias de terror que deu as bases para o conto O vampiro, de Polidori. A história foi adaptada para uma peça e posteriormente para uma ópera, levando os vampiros a outros patamares artísticos.

Ainda durante o século 19, com a expansão dos vampiros a outros países, como Alemanha, França e Inglaterra, estas criaturas figuraram em muitos penny dreadfuls e se aproveitaram o tom obscuro da Era Vitoriana. Somente no final daquele século, a literatura vampiresca produziria a obra que ditaria os rumos desta mitologia que persiste até hoje: Drácula, de Bram Stoker.

A influência de Drácula na mitologia vampiresca do século 20

Em uma sociedade tomada por doenças contagiosas como sífilis e tuberculose, Stoker se apossou desse medo para tornar o vampirismo algo transmissível. O Conde Drácula não apenas bebia o sangue de suas vítimas, mas era capaz de contaminá-las e torná-las criaturas como ele.

Baseado vagamente na figura de Vlad III Drácula, um imperador romeno do século 15, Bram Stoker estudou a mitologia daquela região a fundo para compor seu personagem. Ele também se inspirou em mitos irlandeses de criaturas sugadoras de sangue

Além do próprio Drácula, o escritor criou personagens que passaram a compor a mitologia vampiresca desde então. É o caso do caçador de vampiros Van Helsing, da vampira Lucy Westenra e das Noivas de Drácula.

Mas este sucesso não foi instantâneo. O Conde Drácula só passou a fazer parte do imaginário (e dos pesadelos) das pessoas quando o personagem foi retratado no cinema, na primeira metade do século 20, com o longa adaptado da peça de teatro da Broadway.

A partir de então, o vampiro entrou com tudo na cultura pop de cada época: passando pelo ar gótico de Nosferatu, criando um híbrido com zumbis em Eu sou a Lenda e até entrando para a comédia como em O que fazemos nas sombras. A escritora Anne Rice mergulhou nesta mitologia e se tornou um dos principais nomes da literatura vampiresca contemporânea através dos livros Entrevista com o Vampiro, O Vampiro Lestat e A Rainha dos Condenados.

Imagem de Nosferatu

Com adaptações que se encaixam em todos os gêneros e públicos, os vampiros se mantêm relevantes no imaginário popular. Eles podem nem sempre dormir em caixões ou morar em assombrosos castelos, mas a sua sede de sangue é permanentemente alimentada pelos fãs, que certamente não deixarão estes mortos-vivos desaparecerem tão cedo.

6 Publicações da DarkSide® com vampiros assombrosos

A caveira tem seu próprio arsenal de vampiros sanguinários. Passando pelo clássico até as interpretações mais modernas das criaturas, separamos aqui seis publicações perfeitas para quem tem sede de sangue:

1. Drácula, Bram Stoker

A consagrada obra de Bram Stoker, que transformou o mito do vampiro no que conhecemos hoje, faz parte da coleção Medo Clássico da DarkSide®. Através de fragmentos de cartas, o autor narra a história de humanos lutando para sobreviver às investidas do Conde Drácula. Ambientado na Londres vitoriana do século 19, o livro conta com duas edições: First Edition e Dark Edition.

2. 30 Dias de Noite, Steve Niles e Ben Templesmith

Uma cidade com um mês inteiro sem ver a luz do sol parece o lugar perfeito para um banquete vampírico. É isso o que acontece na cidadezinha isolada de Barrow, localizada no Alasca. Nesta releitura moderna, os vampiros são criaturas desprezíveis, brutais e cruéis que aterrorizam os habitantes, cuja única esperança é torcer pelo raiar do sol o quanto antes. 30 Dias de Noite faz parte da coleção Graphic Novel.

3. Love Kills, Danilo Beyruth

Pitadas do universo de Anne Rice, do jogo de RPG Vampiro: A Máscara e de filmes clássicos de vampiros compõem o universo de Love Kills, uma HQ que moderniza o mito em torno destas criaturas. Repleta de aventura e terror, a história de Danilo Beyruth levanta reflexões sobre a mortalidade do próprio leitor.

LEIA TAMBÉM: DANILO BEYRUTH: “A HQ BRASILEIRA NÃO ESTÁ PRESA A UM GÊNERO”

4. Semblant: Blood Chronicles, Sergio Mazul e André Meister

Esta HQ que mistura metal e terror reúne três histórias sangrentas. Uma delas acompanha um caçador em fuga após um vampiro arrancar toda a sua família de sua vida. A obra foi inspirada por canções da banda Semblant e a arte foi propositalmente composta para ressoar com as músicas de origem. A edição da DarkSide® é uma celebração aos fãs de terror e de metal.

LEIA TAMBÉM: DO METAL AOS QUADRINHOS: CONHEÇA SEMBLANT: BLOOD CHRONICLES

5. Rastro de Sangue: Príncipe Drácula, Kerri Maniscalco

A investigadora Audrey Rose precisa decifrar o mistério de corpos que surgem completamente drenados dentro de uma academia de medicina forense. Só que tem um detalhe: ela está no coração sombrio da Romênia, onde viveu o terrível imperador Vlad, o Empalador. O livro, publicado pelo selo DarkLove, mistura elementos do horror gótico com os o tom investigativo dos livros da coleção Crime Scene.

LEIA TAMBÉM: PRÍNCIPE DRÁCULA: CONHEÇA CINCO LOCAIS DESLUMBRANTES NA ROMÊNIA

6. Seres Mágicos & Histórias Sombrias, Neil Gaiman e Al Sarrantonio (organizadores)

Uma antologia repleta de escritores de terror e fantasia também tem lugar para uma boa história vampiresca. No conto Juvenal Nyx, Walter Mosley explora personagens que são, essencialmente, vampiros, embora ainda apresentem algumas diferenças, como a presença de um dente que os humanos não possuem e a forma de difundir o vampirismo. Além deste, Seres Mágicos & Histórias Sombrias tem outros 26 contos de escritores como Peter Straub, Joe Hill e Joyce Carol Oates.

LEIA TAMBÉM: CONHEÇA ESCRITORES POR TRÁS DE SERES MÁGICOS & HISTÓRIAS SOMBRIAS

Sobre DarkSide

Avatar photoEles bem que tentaram nos vender um mundo perfeito. Não é nossa culpa se enxergamos as marcas de sangue embaixo do tapete. Na verdade, essa é a nossa maldição. Somos íntimos das sombras. Sentimos o frio que habita os corações humanos. Conhecemos o medo de perto, por vezes, até rimos dele. Dentro de nós, é sempre meia-noite. É inútil resistir. Faça um pacto com quem reconhece a beleza d’ O terror. O terror. Você é um dos nossos.

Website

4 Comentários

Deixe o seu comentário!


Obrigado por comentar! Seu comentário aguarda moderação.

Indicados para você!

Love Kills + Brinde Exclusivo
R$ 69,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
Semblant: Blood Chronicles + Brinde Exclusivo
R$ 64,90
5% de Descontono boleto
COMPRAR
  • Experiência Dark
  • Experiência Dark
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
CuriosidadesMacabra

A macabra medicina dos médicos que fazem cirurgias em si próprios

Quem já precisou passar por uma cirurgia deve se lembrar bem de todos os cuidados...

Por DarkSide
Cesar Bravo From HellFilmesListas

O incrível mundo dos filmes que poderiam não ter existido

Se você está descobrindo o horror agora, ou mesmo se já o conhece há algum tempo e...

Por Cesar Bravo
CuriosidadesMagicae

A magia das árvores na bruxaria natural

Os seres humanos e as árvores compartilham uma relação muito especial. Ela já foi...

Por DarkSide
Crime SceneCuriosidades

5 Psicopatas interpretados por Evan Peters

ALERTA DE SPOILER: ESSE POST TEM SPOILERS DA SÉRIE AMERICAN HORROR STORY Os fãs de...

Por DarkSide
NovidadesSéries

Andor traz a revolução para o universo de Star Wars

Os fãs de Star Wars estão aos poucos expandindo o seu conhecimento sobre a Galáxia....

Por DarkSide